Revista GGN

Assine
imagem de Gilberto Cruvinel

CONTEÚDOS DO USUÁRIO

Postagens

Silêncio sobre o oceano, por Fernando Venâncio

 

Apresentação de Gilberto Cruvinel

Portugal conhece Machado de Assis? O linguista, historiador da língua e pesquisador português Fernando Venâncio garante que Machado não é, em Portugal, a referência que poderia ter-se tornado. E esta constatação levou-o a concluir: “nós portugueses não merecemos tamanho autor do nosso idioma”. Na origem desta situação, Venâncio localiza as difíceis relações entre Machado de Assis e Eça de Queiroz. É sobre esta relação controversa e as críticas que ocasionou entre eles e que também produziram efeito nos escritos de ambos que versa o artigo escrito pelo pesquisador para a Revista Ler de Lisboa. Eça de Queiroz, nos diz Venâncio, queria ter estendido o contato com Machado, mas “depois depois das críticas deste ao O Primo Basílio, caiu entre eles o silêncio”.  Em tempo, nos últimos anos a situação do Bruxo do Cosme Velho em terras lusitanas melhorou um pouco, segundo o pesquisador: “Desde então houve 8 edições de Dom Casmurro e 4 de Brás Cubas. É alguma coisa. Mas Machado continua a não ser "referência", isto é, um autor que espontaneamente (!) se aduz como "um dos grandes" no nosso idioma.”

Leia mais »

Média: 4.5 (6 votos)

Meu Amor é Marinheiro, de Joaquim Pimentel, por Carminho

Enviado por Gilberto Cruvinel

 

Tenho ciúmes
Das verdes ondas do mar
Que teimam em querer beijar
Teu corpo erguido às marés

.

Tenho ciúmes
Do vento que me atraiçoa
Que vem beijar-te na proa
E morre pelo convés

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

As traduções de Emmanuel Santiago para doze sonetos de Shakespeare, por Gilberto Cruvinel

As traduções de Emmanuel Santiago para doze sonetos de Shakespeare

por Gilberto Cruvinel

Emmanuel Santiago participou da entrevista feita com o mestre Ivo Barroso e publicada no GGN há dois meses (A tradução integral de Ivo Barroso).

Poeta, crítico literário e professor de Literatura no Ensino Médio, Emmanuel é graduado em Letras pela Universidade Federal de Ouro Preto e mestre em Literatura Comparada pela USP com a tese sobre Guimarães Rosa, “A narração dificultosa”, publicada em e-book e premiada. Formou-se depois doutor em Literatura Brasileira com a tese “A Musa do Espartilho: o erotismo na poesia parnasiana brasileira”. Emmanuel é também autor do livro de poesia Pavão bizarro.

Este jovem poeta mineiro de São Lourenço já ofereceu aos que gostamos de sonetos e amamos Shakespeare a tradução, até este momento, de 12 dos 154 sonetos do bardo da Avon. Um de nossos maiores mestres do ofício de traduzir, Ivo Barroso, apreciou a habilidade e viu grande sensibilidade tradutória no trabalho de Emmanuel, identificando-o como um tradutor comprometido com a linguagem atual enquanto ele, Ivo, optou por um “estilo arcaizante”, na expressão do próprio Barroso.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Bugigangas de supermercado, por Ricardo Araújo Pereira

Enviado por Gilberto Cruvinel

Acumulação de pontos para reunir selos em cadernetas que dão acesso a bugigangas

 

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Na ribeira deste rio, de Fernando Pessoa por Mônica Salmaso

Enviado por Gilberto Cruvinel

 

Na ribeira deste rio

Ou na ribeira daquele

Passam meus dias a fio.

Nada me impede, me impele,

Me dá calor ou dá frio.

Leia mais »
Média: 4.7 (10 votos)

Chalupa spotting (contemplação de gente ligeiramente maluca), por Ricardo Araujo Pereira

 

Sem votos

Tanto de meu estado me acho incerto, por Luís Vaz de Camões

Enviado por Gilberto Cruvinel

Tanto de meu estado me acho incerto, 
que em vivo ardor tremendo estou de frio; 
sem causa, juntamente choro e rio, 
o mundo todo abarco e nada aperto.

.

É tudo quanto sinto, um desconcerto;

da alma um fogo me sai, da vista um rio;
agora espero, agora desconfio, 
agora desvario, agora acerto.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Inédita no Brasil, peça de Shakespeare aborda relação homoafetiva, por Antonio Gonçalves Filho

 Montagem de 'Os Dois Primos Nobres', de Shakespeare, feita pela Royal Shakespeare Company  Foto: Royal Shakespeare Company Leia mais »

Sem votos

Trunfo de Antonio Candido foi aproximar literatura e sociedade, por Carlos Berriel

 

RESUMO Professor da Unicamp repassa linhas de força do pensamento de Antonio Candido (1918-2017) sobre a constituição de uma identidade literária brasileira. Autor lembra que sistema teórico estabelecido pelo crítico incorporava contribuições da história e da sociologia na busca de um "específico nacional" indelével.

Antonio Candido em Bofete (SP), em janeiro de 1948

 

Carlos Berriel

da Folha

  Leia mais »

Sem votos

'O mundo do meu avô era o meu preferido', rememora neta de Candido

Maria Clara Vergueiro

da Folha

Na primeira terça-feira de maio meu avô e eu almoçamos juntos, como fazíamos toda semana, há muitos anos. Naquele dia, a conversa começou assim: "Nasci em um mundo, me desenvolvi em um outro, e agora estou neste terceiro, que eu não compreendo, do qual não sou parte".

Já era recorrente a queixa de que, àquela altura da vida, nenhuma das suas referências poderia perseverar. Fui cúmplice: "Eu também, Vô, não compreendo e muitas vezes não me sinto parte, inclusive porque este terceiro tem uma característica que o diferencia brutalmente dos anteriores, que é a velocidade. Também não acompanho". Sorrimos juntos e partimos para o tema seguinte. Leia mais »

Sem votos

Adeus ao maior crítico literário que o Brasil já teve, por Emmanuel Santiago

Antonio Candido de Mello e Souza (1918-2017)

Para além de sua grande envergadura intelectual, Candido foi uma figura inspiradora, capaz de despertar em muitos (ou confirmar) o amor pela literatura

por Emmanuel Santiago

Especial para o Jornal Opção

Na sexta-feira, 12, morreu, aos 98 anos, Antonio Candido — o maior crítico literário que o Brasil já teve (ou, no mínimo, o mais influente). Quase não há um grande clássico da literatura brasileira sobre o qual ele não tenha escrito uma ou duas observações relevantes, quando não textos indispensáveis. Candido, praticamente, colocou de pé a crítica acadêmica brasileira. Basta passar os olhos pela extensa lista de seus orientandos e dos que por estes foram orientados.

Formação da literatura brasileira (1959), que, durante décadas, esteve no centro de um intenso debate e ainda hoje suscita algumas controvérsias, é um marco fundamental de nossa historiografia literária, uma referência incontornável, como até mesmo seus detratores são obrigados a reconhecer. A obra alia vasta erudição, fina sensibilidade estética e um esforço teórico até então inédito em nossos estudos literários. Trata-se de uma leitura obrigatória para todo aquele que deseja compreender o papel da literatura em nosso processo de formação histórica, servindo de complemento a estudos seminais como Casa-grande & senzala, de Gilberto Freyre, Raízes do Brasil, de Sérgio Buarque de Holanda, e Formação do Brasil contemporâneo, de Caio Prado Júnior. Basicamente, a obra descreve o surgimento de uma consciência nacional em nossa literatura, levando em conta as circunstâncias sociais e culturais que permitiram o desenvolvimento desta, tudo acompanhado de inúmeros comentários reveladores sobre os autores e os textos elencados. Vários insights de Candido no Formação… já serviram de gatilho para dissertações de mestrado e teses de doutorado Brasil afora.

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Manuel Bandeira: Minha Mãe

 

O livro mais precioso de minha biblioteca é um velho caderninho de folhas pautadas e capa vermelha, comprado na Livraria Francesa. Rua do Crespo, 9, Recife e em cuja página de rosto se lê: "Livro de assentamento de despesas. Francelina R. de Souza Bandeira". Francelina R. de Souza Bandeira era o nome de minha mãe. Mas toda a gente a conhecia e tratava por D. Santinha. No meu poema dos "Nomes" escrevi:

 

Santinha nunca foi para mim o diminutivo de santa.  Leia mais »

Sem votos

A candura de Marilena Chauí pelo amigo Antonio Candido

 

A filósofa Marilena Chaui nos conta, com candura, quem foi Antonio Candido

 

 

Sem votos

Antonio Candido, por Roberto Schwarz

Blog da Boitempo recupera um texto histórico de Roberto Schwarz, escrito em forma de "verbete", sobre o mestre Antonio Candido

Enviado por Gilberto Cruvinel

do Blog da Boitempo

Antonio Candido

por Roberto Schwarz

Em homenagem a Antonio Candido de Mello e Souza, que nos deixou hoje, dia 12 de maio de 2017, o Blog da Boitempo transcreve abaixo um verbete escrito por Roberto Schwarz, um de seus maiores discípulos herdeiros intelectuais, em 1993 para a Revista da USP. O texto oferece um panorama sucinto e afiado de alguns dos pontos-chave da trajetória e obra deste que é amplamente considerado o maior crítico literário brasileiro, e um dos últimos representantes de uma geração de “intérpretes do Brasil” responsável por encabeçar nossa dita “tradição crítica”.

Leia mais »

Média: 5 (1 voto)

Fotos

Sem colaborações até o momento.

Vídeos

Que Deus Me Perdoe

letra: Silva Tavares. Leia mais »

Documentos

Sem colaborações até o momento.

Áudio

Sem colaborações até o momento.