Revista GGN

Assine

Reintegração de Posse

Governo do RS é acusado de afrontar “violentamente” Legislativo

Deputado estadual foi preso durante reintegração de posse promovida pelo governador do RS, Ivo Sartori

Deputado Jeferson Fernandes foi detido diante do prédio da Ocupação Lanceiros Negros | Foto: Guilherme Santos/Sul21
Foto: Guilherme Santos/Sul21

Jornal GGN - A detenção do deputado do estado do Rio Grande do Sul, Jeferson Fernandes (PT), durante uma ação de reintegração de posse realizada pelo governo de Ivo Sartori, retirando a força cerca de 70 famílias da ocupação Lanceiros Negros, na noite de quarta-feira (14), revoltou o presidente da Assembleia Legislativa do RS, deputado Edegar Pretto (PT). Para o parlamentar, a condução impositiva foi um "violentamente afrontado" contra a própria Assembleia Legislativa. As informações são do Sul21.

A reintegração foi realizada por volta das 19h, enquanto ocorria uma audiência pública no plenarinho da Assembleia Legislativa para se chegar a um acordo sobre a ocupação, dessa forma Pretto acusa o Sartori de desrespeitar o poder Legislativo.

As famílias ocupavam um prédio localizado no centro de Porto Alegre tomado pelo governo do Estado que, em 2015, entrou com um pedido de integração. Na segunda-feira (12) a juíza Aline Santos Guaranha da 7a. Vara da Fazenda Pública de Porto Alegre determinou o despejo em caráter de urgência. No processo de desocupação, a tropa de choque da Brigada Militar usou gás lacrimogêneo, spray de pimenta e bombas de efeito moral para conseguir desmobilizar a resistência dos moradores e ativistas que se recusavam a deixar do local.
Leia mais »

Média: 3.8 (4 votos)

Gleise acusa governo Sortori de violência e abuso policial

Em nome da presidência do PT, senadora denuncia brutalidade na reintegração de prédio público da ocupação Lanceiros Negros

BM usa força para desocupar prédio no Centro de Porto Alegre
Foto: MARIANA CARLESSO/JC - Jornal do Comércio

Jornal GGN - Uma ação de reintegração de posse realizada no centro de Porto Alegre, de um prédio habitado por 35 famílias, a pedido do próprio Estado do Rio Grande do Sul, alegando ser o proprietário, terminou com a detenção do deputado estadual petista Jeferson Fernandes que foi algemado e preso, junto com outros ativistas da luta pelos direitos humanos e sociais, soltos algumas horas depois.

Quem acolheu o pedido do Estado de Porto Alegre foi a juíza Aline Santos Guaranha, da 7ª Vara da Fazenda Pública, na segunda-feira, permitindo que a reintegração fosse cumprida a qualquer momento. A ordem foi executada pela Brigada Militar, nessa quarta-feira (14) às vésperas do feriado. A tropa de choque utilizou gás lacrimogêneo, spray de pimenta e bombas de efeito moral para conseguir desmobilizar a resistência dos moradores da ocupação Lanceiros Negros.

Segundo informações do jornal Zero Horas, a ação policial começou por volta das 19h, enquanto ocorria uma audiência pública sobre a ocupação no plenarinho da Assembleia Legislativa. Em noda de repúdio contra a reintegração e a violência policial, a presidente do PT e senadora, Gleise Hoffman, destacou que as 35 famílias ocupavam o prédio desde 2015, denunciando entre os graves abusos, além da própria truculência da tropa de choque, o despejo de crianças e a falta de diálogo do governador Ivo Sartori, não abrindo negociação com a Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa. Leia a seguir a nota na íntegra.
Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Prisão de Boulos foi injustificável, afirma Apeoesp

 
Jornal GGN - Por meio de nota, o Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp) repudia a ação da Polícia Militar durante a reintegração de posse ocorrida ontem (17) no Jardim Colonial, na zona leste de São Paulo.
 
O sindicato ressalta que a ação deixou sem moradia e sem qualquer amparo deixou centenas de pessoas, que ocupavam um terreno ocioso há mais de quarenta anos.
 
A Apeosp também manifestou sua solidariedade às famílias e a Guilherme Boulos, membro da Coordenação Nacional do MTST, preso durante a reintegração.

Leia mais »

Média: 4 (5 votos)

Boulos é liberado pela polícia após 10 horas de detenção

"MTST estava lá para buscar construir uma saída pacífica", afirmou dirigente logo após detenção

da Rede Brasil Atual

Boulos é liberado pela polícia após 10 horas de detenção

Segundo coordenador do MTST, episódio mostra avanço do Estado de exceção. Ao ser detido, tentava negociar saída sem conflito para a reintegração de posse em terreno ocupado por 700 famílias
 
por Redação RBA

São Paulo – O coletivo Jornalistas Livre informou há pouco que Guilherme Boulos, coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), acaba de ser liberado pela Polícia Civil. Ele ficou mais de dez horas detido. Boulos foi preso na manhã de hoje (17) pela Tropa de Choque da PM ao tentar negociar uma saída para a reintegração de posse em terreno ocupado por 700 famílias de trabalhadores sem-teto, na Ocupação Colonial, na região de São Mateus, zona leste de São Paulo. 

Leia mais »
Média: 5 (7 votos)

Prisão de Boulos "criminaliza a defesa dos direitos sociais", diz Dilma

Jornal GGN - A ex-presidente Dilma Rousseff emitiu uma nota em solidariedade ao líder do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto), Guilherme Boulos, que foi preso na manhã desta terça-feira (17) pela Polícia Militar de São Paulo, durante uma ação de reintegração de posse. Boulos, ao lado de outras pessoas, tentavam negociar uma saída pacífica para que 700 famílias desocupassem uma área reclamada pelo governo Alckmin em São Mateus, quando acabou sendo detido sob a acusação de obstrução de justiça, desobediência civil e incitação à violência contra policiais.

Leia mais »

Média: 4.2 (5 votos)

MTST confirma prisão de Guilherme Boulos pela Polícia de Alckmin

Foto: Jorge Ferreira/Mídia Ninja

Jornal GGN - A Polícia Militar de São Paulo prendeu o líder do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto Guilherme Boulos, na manhã desta terça-feira (17). Boulos acompanhava uma reintegração de posse em São Mateus quando a PM o deteve sob a acusação de desobediência civil. A informação foi confirmada pelo MTST nas redes sociais.

Leia mais »

Média: 3.7 (6 votos)

Ex-moradores do Pinheirinho recuperam esperanças com entrega de casas

Foto: Paulo Maldos
 
Jornal GGN - As 1.461 famílias que foram expulsas, em janeiro de 2012, da ocupação Pinheirinho, em São José dos Campos, receberam as moradias nesta quinta-feira (22), após quase cinco anos de luta e reivindicações.
 
O conjunto habitacional, nomeado pelas famílias como Pinheirinho dos Palmares, foi entregue após uma das maiores operações de reintegração de posse no Brasil. A forma violenta de reintegração de posse teve o consentimento do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), do então prefeito de São José dos Campos, Eduardo Cury (PSDB), da Justiça Estadual, por meio da juíza Márcia Mathey Loureiro, da 6ª vara cível da cidade, e do juiz assessor do TJSP, Rodrigo Capez. 
 
Reconhecida no Brasil por ser uma das maiores ocupações urbanas, e internacionalmente pelo exemplo de organização estrutural e vitórias que conquistava a cada ano, no Pinheirinho moravam 1.800 famílias, um total de quase 9 mil pessoas.
Média: 4.2 (5 votos)

Justiça determina, de novo, que Dória devolva o terreno que invadiu em Campos do Jordão

Jornal GGN - O candidato do PSDB ao Paço paulistano João Dória Junior sofreu uma nova derrota nos tribunais nesta quinta (22). Segundo informações do jornal O Globo, o empresário foi condenado novamente a devolver um terreno em Campos do Jordão que ele invadiu e anexou à sua propriedade privada na década de 1990.

A Justiça já havia determinado a reintegração de posse imediata do terreno de 365 metros quadrados que Dória anexou a outra área que vale R$ 2 milhões. À decisão, inclusive, já não cabia mais recursos.

Leia mais »

Média: 5 (13 votos)

Incêndio em favela de São Paulo deixa 140 famílias desabrigadas

Jornal GGN – 140 famílias ficaram desabrigadas depois que um incêndio destruiu uma área de 800 metros quadrados na Favela dos Tubos, no bairro do Limão, na zona norte de São Paulo. A favela ficou totalmente destruída.

De acordo com a líder comunitária da União Nacional por Moradia Popular, Terezinha Dramacho de Souza, um problema de fiação foi o que deu início ao fogo. “Os fios eram muito baixos. Falei que qualquer hora ia ter um incêndio, porque era fio amarrado com o outro”, disse.

A área tinha processo de reintegração de posse desde 2005. A Defesa Civil já tinha realizado laudos para retirar 48 famílias da área de risco. “Não eram só 48 barracos, mas toda a área. Já estavam fazendo os laudos para cadastrar as famílias, para vir o auxílio do Bolsa Aluguel”, afirmou.

Leia mais »

Sem votos

Haddad defende reintegração como medida de segurança, e governo Alckmin ataca Suplicy

Jornal GGN - A gestão do prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT) explicou que a reintegração de posse deflagrada nesta segunda (25) foi por medida de segurança, pois a área apresentava riscos de desabamento, segundo laudo da Defesa Civil. A ação atingiu mais de 300 famílias assentadas na Cidade Educandário, próximo da região da Rodovia Raposo Ravares, e terminou com a prisão do ex-senador Eduardo Suplicy (PT). 

Haddad disse à imprensa, segundo informações do G1, que não pôde interromper o ato determinado pela Justiça pois havia sido alertado dos riscos que representava para a segurança da comunidade local.

Leia mais »

Média: 3.4 (5 votos)

Suplicy é preso e arrastado pela PM por resistir à reintegração de posse

Jornal GGN - No alto de seus 75 anos, o ex-senador Eduardo Suplicy (PT) foi arrastado pela Polícia Militar por ter impedido uma reintegração de posse na zona sul de São Paulo, na manhã desta segunda (25), contra 350 famílias assentadas.

Ao deitar no chão em frente aos oficiais do Estado comandado por Geraldo Alckmin (PSDB), Suplicy acabou sendo preso e levado ao 75º Distrito Policial, sob a alegação de ter resistido à ação policial. O deputado federal Paulo Teixeira (PT) usou as redes sociais para dizer que o ex-senador já depôs na delegacia. Leia mais »

Média: 3.7 (6 votos)

Tropa de Choque pode invadir novamente Secretaria de Educação do Rio

Jornal GGN – A Justiça do Rio de Janeiro determinou a reintegração de posse da sede da Secretaria Estadual de Educação, ocupada desde 30 de maio por estudantes. A qualquer momento, o Batalhão de Choque da PM pode invadir o prédio para cumprir a ordem.

De acordo com a magistrada Glória Heloiza Lima da Silva, da 2ª Vara da Infância, Juventude e Idoso, o prédio tem natureza de bem de domínio público e não pode ser ocupado apenas por um grupo de pessoas.

Os estudantes que estão na secretaria reivindicam mais diálogo com o Governo do Estado, pedem melhorias na rede de ensino e apóiam a greve dos professores que começou em 2 de março.

O prédio da Secretaria já havia sido ocupado antes. A ocupação terminou na madrugada do dia 21 de junho, quando o Batalhão de Choque da PM retirou estudantes com uso de spray de pimenta.

Leia mais »

Média: 1.7 (3 votos)

A reintegração de posse continua...

Foto de Caio Castor

Leia mais »

Média: 5 (5 votos)

PM usa violência para retirar trabalhadores de fábrica

Jornal GGN – A Polícia Militar realizou uma ação de reintegração de posse na fábrica da Mabe, em Hortolândia, acabando com a ocupação de trabalhadores que reivindicavam melhores condições.

O site do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas narrou a ação da PM. “Os policiais invadiram a fábrica pelos fundos, e a PM usou até helicópteros para que policiais descerem de rapel. A violenta ação da PM arrancou os trabalhadores da fábrica, que tiveram de deixar todos os seus pertences para trás”.

O Sindicato e seus advogados foram proibidos pelo oficial de justiça a acompanhar o ato de reintegração. Além disso, a ação foi realizada no domingo, às 14h, depois do término do expediente do judiciário, o que impediu que os advogados do sindicato conseguissem algum mandado judicial que detivesse o procedimento.

Leia mais »

Média: 2.1 (7 votos)

Quanto vale a vida de um agricultor sem-terra assassinado?

Enviado por Cafezá

Do RS Urgente

Elton Brum da Silva foi assassinado pelas costas, com um tiro de fuzil, por um policial militar, durante a execução judicial de um mandado de reintegração de posse, no dia 21 de agosto de 2009, em São Gabriel.

 Jacques Távora Alfonsin

A companheira, a filha e o pai do agricultor Elton Brum da Silva, assassinado pelas costas por um policial militar, durante a execução judicial de um mandado de reintegração de posse, no dia 21 de agosto de 2009, em São Gabriel, ajuizaram uma ação de indenização contra o Estado do Rio Grande do Sul, com base na responsabilidade civil deste, prevista em lei, pelas ações dos seus servidores públicos.

A sentença reconheceu o direito em causa e condenou o Estado a pagar uma indenização por dano moral sofrido por essas pessoas, no valor de R$100.000,00 para cada uma. Para a filha, o mesmo julgado reconheceu o direito de ela receber uma pensão de um salário mínimo regional.

Leia mais »

Imagens

Média: 5 (8 votos)