Revista GGN

Assine

Ministério da Cultura

Cultura está há um mês sem ministro, alerta Sergio Mamberti

sergio_mamberti_-_agpt.jpeg

Foto: AGPT

Da Rede Brasil Atual

 
Para o ator, produtor e diretor teatral, governo Temer sempre trabalhou para relacionar a "cultura com a marginalidade"

"Estamos há um mês sem ministro da Cultura e ninguém fala nada", questiona o ator, produtor e diretor teatral Sergio Mamberti. Para ele, a ausência de um titular da pasta no Executivo mostra que o governo de Michel Temer, desde seu começo, trabalha para marginalizar a cultura no país. "O Ministério da Cultura, que durante o governo Lula, foi respeitado internacionalmente, hoje é um arremedo. O dono da maior livraria de São Paulo disse que não precisaria ter o ministério. Vivemos contradições bastante cruéis", critica, em entrevista ao Linha Direta PT.

Desde o início de junho, o MinC está sem um ministro, quando o interino João Batista de Andrade pediu demissão, após o vazamento das gravações de Temer com o empresário Joesley Batista

Leia mais »
Média: 4.2 (5 votos)

Interino da Cultura se demite e é o terceiro a deixar pasta no governo Temer

34715272706_836407c7b9_k.jpg

Foto: Acácio Pinheiro/MinC

Jornal GGN - João Batista de Andrade, que ocupava interinamente o cargo de ministro da Cultura, pediu demissão nesta sexta-feira (16). Andrade assumiu a pasta depois da saída de Roberto Freire (PPS), ocasionada pelas gravações de Joesley Batista, da JBS.

Em carta para o presidente Michel Temer, o ex-ministro disse que não tinha interesse em continuar na pasta. Segundo a Folha de S. Paulo, sua demissão foi motivada pelo corte de 43% do orçamento do MinC e por polêmicas em relação à nomeação do presidente da Agência Nacional do Cinema, a Ancine.
 
Andrade, que também é filiado ao PPS, defendia a nomeação de Debora Ivanov, que é apoiada por cineastas e pelo ex-titular da pasta, na Ancine. Entretanto, o governo de Michel Temer preferiu outro nome.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Roberto Freire, crítico do 'aparelhamento petista', coloca 18 nomes do seu partido no MinC

roberto_freire_-_alexandra_martins_camara_dos_deputados.jpg
 
Foto: Alexandra Martins/Câmara dos Deputados
 
Jornal GGN - Roberto Freire, ministro da Cultura e presidente licenciado do PPS, nomeou ao menos 18 nomes de seu partido assessorias, secretarias, diretorias, entidades vinculadas e representações regionais da pasta. De acordo com a Folha de S. Paulo, dez deles foram nomeados nos três primeiros meses de 2017.
 
Freire assumiu o ministério após a saída de Marcelo Calero, que deixou o cargo alegando pressões para liberar a construção de um imóvel do ex-ministro Geddel Vieira de Lima. Desde então, o atual chefe da pasta da Cultura afirma que houve um “aparelhamento petista“ no órgão. 
 
"Lamentavelmente, um ministério que teria muito a dar ao país ficou voltado para atender a interesses de facções políticas”, disse Freire em janeiro. 

Leia mais »

Média: 2.3 (6 votos)

Raduan, o poeta e a máquina, por Psicanalistas pela Democracia

raduan_2.jpeg

Do Psicanalistas pela Democracia

 

No editorial ‘2017’ lembramos e chamamos a atenção para a tensão entre a verdade e a falsidade; a afirmação de princípios morais e estéticos e o descalabro ético; a palavra justa e o discurso velador. Falávamos da celeuma envolvendo o poeta e tradutor Augusto de Campos e o Jornal Folha de São Paulo ocorrido ano passado. Destacamos dessa vez outro episódio, ocorrido no ato de premiação do escritor Raduan Nassar na ocasião em que foi agraciado com o prêmio Luis de Camões. Essa passagem é citada também no texto recém publicado de Ana Costa no Psicanalistas pela Democracia.

O Brasil é privilegiado por ter Raduan Nassar. Um escritor que deu ao país o melhor da literatura. Aclamado dentro e fora do Brasil, Raduan é um cidadão que, do mesmo modo como se recusa a escrever um novo livro, a despeito das inúmeras demandas, solicitações e apelos, se recusa a se calar diante do maior golpe parlamentar, branco e cínico já sofrido no país.

Leia mais »
Média: 5 (7 votos)

Seria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição, diz Juca Ferreira sobre governo Temer

 
juca_ferreira.jpg
 
Jornal GGN - Ministro da Cultura durante os governo de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, o sociólogo Juca Ferreira afirma que o governo de Michel Temer está ‘ceifando’ tudo que o que foi construído, não somente na cultura, mas também nos direitos trabalhistas, na aposentadoria, nos direitos das mulheres e nos avanços na relação entre negros e brancos no país.
 
“Eles são devastadores”, diz o ex-ministro, que considera que a Operação Lava Jato não é isenta, já que parte de uma tese de que a corrupção é problema exclusivo do PT, “quando na verdade é o modus operandi da política brasileira”. 
 
“Eles não têm projeto e querem destruir tudo o que foi construído, como aliás em outras áreas que não a cultura. Acho que funcionaria melhor se trabalhassem numa empresa de demolição”, afirma Juca. 

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

MinC encerra parceria com escola de cinema de Cuba

 
Para ex-secretários do Ministério da Cultura, fim da parceria entre o país e a Escola Internacional de Cinema e TV de San Antonio de Los Baños (EICTV) representa grande perda ao cinema nacional

Da Rede Brasil Atual

 
por Gabriel Valery
 
"A decisão do Ministério da Cultura (MinC) é tacanha, baseada em uma visão ideológica tacanha de preconceito contra Cuba. Vamos ter uma perda, sem dúvida”, afirmou o ex-secretário executivo do MinC João Brant, que trabalhou na pasta até o fim do governo Dilma Rousseff (PT), sobre a descontinuidade do convênio de 30 anos entre o governo e a Escola Internacional de Cinema e TV de San Antonio de Los Baños (EICTV), em Cuba. “É lamentável que o ministério acabe com essa política de trabalho conjunto”, acrescentou, sobre ato governo de Michel Temer (PMDB).
Leia mais »
Média: 3.7 (9 votos)

O avanço dos reacionários no setor da cultura, por Jotabê Medeiros

Jornal GGN - Em artigo na Carta Capital, o jornalista cultural Jotabê Medeiros aponta para uma inflexão da área ao um viés reacionário, com o abandono de projetos considerados pequenos, aparelhamento e privilégios ao lobbies do setor.

Roberto Freire (PPS), que assumiu a pasta no governo federal, nomeou diversos candidatos de seu partido  derrotados nas últimas eleições.

O jornalista também aponta para ações de desmonte, como no Rio Grande do Sul, onde o governador José Ivo Sartori fechou 11 fundações, incluindo a Piratini - mantenedora da TVE e da FM Cultura - e no governo paulista de Geraldo Alckmin, que fechou dez unidades de oficinais culturais no estado.

Leia mais »

Média: 2.3 (7 votos)

MPF investiga suposto desvio de R$ 11 milhões no Museu do Trabalhador, em São Bernardo

Jornal GGN - O Ministério Público Federal está investigando a obra do Museu do Trabalhador, apelidada pela imprensa de "museu do Lula", em São Bernardo do Campo, por suspeita de desvio de R$ 11 milhões. O projeto tem recursos da Lei Rouanet. A Polícia Federal deflagrou nesta terça (13) uma operação que deteve um secretário de Obras, entre outras prisões e conduções coercitivas.

Segundo informações do Estadão, o MPF suspeita de fraude na licitação da obra, envolvendo cinco empresas. A Procuradoria da República em São Paulo também fala que "três secretários do município teriam formado uma organização criminosa junto com cinco empresários para fraudar a licitação e desviar o dinheiro desde 2010 do projeto."

Leia mais »

Média: 2.1 (7 votos)

"A política tem dessas coisas", disse Temer pressionando para liberar edifício

 
Jornal GGN - Convocado pelo presidente Michel Temer a comparecer ao Palácio do Planalto, no dia 17 de novembro, Marcelo Calero ainda ocupava o Ministério da Cultura quando ouviu de Temer que "a política tem dessas coisas, esse tipo de pressão". Ordenou o então ministro Calero a "construir uma saída" para a decisão do IPHAN, que criou "dificuldades operacionais" em seu gabinete, sobretudo junto a seu braço direito, Geddel Vieira Lima, que estava "bastante irritado".
 
O depoimento é de Marcelo Calero ao Departamento da Polícia Federal junto ao Grupo de Inquéritos do Supremo Tribunal Federal (STF). E é diante dessas palavras que a Procuradoria-Geral da República "pensou", ainda estudava a possibilidade de abrir uma investigação contra Geddel. Isso porque também precisaria incluir Temer no inquérito.
 
"O depoente [Calero], ao final da conversa com o Presidente, ficou bastante desapontado, uma vez que foi advertido em razão de ter agido sem cometer qualquer tipo de irregularidade, que sentiu-se decepcionado também pelo fato de não ter mais a quem reportar-se a fim de solucionar esta situação, uma vez que o próprio Presidente da República o havia 'enquadrado'."
Média: 4 (4 votos)

Temer levou Geddel ao governo sabendo a quem entregava o poder, por Janio de Freitas

Jornal GGN – Michel Temer sabia bem o que estava fazendo quando level Geddel ao governo. Não foi um ato impensado, muito menos ficou em pânico. Tudo acertado para que as coisas fossem levadas de tal maneira, nos moldes da folha corrida de Geddel. O tema é tratado por Janio de Freitas, em sua coluna na Folha.

Janio vai mais longe. Aponta cada ato de Temer, pretensamente de organização de governo. Quando extinguiu o Ministério da Cultura, que carrega o Iphan, colocaria a pasta em uma secretaria anexada à Presidência. E a desculpa seria sempre a mesma: corte de gastos. O susto com a reação de intelectuais e artistas o fez recuar. Até aliados se posicionaram contra, evidenciando que a extinção da pasta era somente para dar menos visibilidade e poder ao Iphan.

E não é só e nem é pouco. Leia o artigo a seguir.

Leia mais »

Média: 4.6 (13 votos)

Combinação entre crise moral e derrocada econômica pode ser devastadora, por Tereza Cruvinel

Jornal GGN - "A combinação entre a crise moral e a derrocada econômica pode ser devastadora" para Michel Temer, diz a colunista do 247 Tereza Cruvinel em artigo publicado na segunda (21), após o presidente insistir que vai manter Geddel Vieira Lima como secretário de Governo. Segundo a jornalista, Temer vai afundar se não saltar do barco de Geddel, já que nem os aliados políticos estão satisfeitos com a "desmoralização" do governo. Eles querem, ao menos, manter a "aparência" de que as coisas estão em ordem.

Leia mais »

Média: 4.5 (8 votos)

Ex-ministro acusa Geddel de pressioná-lo para liberar obra

Calero denuncia um dos homens fortes do governo em favor de área tombada pelo Iphan

 
Jornal GGN - O mais novo ex-ministro do governo Temer, Marcelo Calero, que pediu na última semana demissão da pasta da Cultura concedeu entrevista à Folha de S.Paulo denunciando Geddel Vieira Lima, um dos homens fortes da equipe Temer e que ocupa a secretaria de Governo, de pressioná-lo para que o Iphan (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional), ligado à Cultura, liberasse um parecer técnico aprovando o projeto imobiliário La Vue Ladeira da Barra, localizado em uma área tombada em Salvador, cidade que compõe sua base política. 
 
O novo escândalo, em apenas seis meses de gestão, põe em suspenso os próximos passos de Temer. O presidente irá se pronunciar ou não a respeito da denúncia contra o articulador político do seu governo? Que decisão tomará quanto ao futuro de Geddel?
Leia mais »
Média: 5 (8 votos)

PEC 241 pode tirar até 90% do orçamento finalístico da cultura em 5 anos, por João Brant

Estudo mostra que o MinC mal conseguiria cuidar da manutenção das suas estruturas e, na prática, todas as suas ações estariam paralisadas, o que fatalmente implicaria na busca de soluções como fechamento ou transferência de instituições e unidades para a iniciativa privada

do Brasil Debate

PEC 241 pode tirar até 90% do orçamento finalístico da cultura em 5 anos

por João Brant

A aprovação da PEC 241 poderá afetar profundamente o orçamento da cultura. Mantidas as condições atuais, em cinco anos a pasta pode perder 33% do seu orçamento nominal, o que significaria a perda de cerca de 90% de seu orçamento voltado para ações finalísticas, o que inclui todos os editais, obras (inclusive do PAC Cidades Históricas) Fundo Nacional de Cultura, convênios com estados e municípios, entre outros.

O Orçamento do Ministério da Cultura, exceto pessoal e despesas financeiras, está dividido em:

 

O orçamento discricionário do MinC suporta todas as ações de manutenção, funcionamento e ações finalísticas do Ministério da Cultura, incluindo suas sete entidades vinculadas – Ancine, Funarte, Fundação Biblioteca Nacional, Fundação Casa de Rui Barbosa, Fundação Cultural Palmares, Ibram e Iphan.

Leia mais »

Sem votos

Rubens Paiva recusa prêmio do Ministério da Cultura

Jornal GGN - Ontem (11), o escritor Marcelo Rubens Paiva publicou a foto de um email trocado com um funcionário do Ministério da Cultura na qual recusa o prêmio de Ordem do Mérito Cultural, concedida pela pasta.

O prêmio é destinado para pessoas, iniciativas ou instituições que tenham contribuído com a cultura brasileira. Em sua recusa, Rubens Paiva afirmou que não aceita a forma como o governo de Michel Temer foi conduzido ao Poder.  “Aceitaria se fosse de um governo eleito pelo voto direito”, afirmou.

Leia mais »

Média: 4.6 (11 votos)

Ministério da Cultura volta atrás em demissão da Cinemateca

Calero havia substituído Olga Futemma por Massaini Filho, acusado de estelionato
 
 
Jornal GGN - O Ministro da Cultura no governo interino, Marcelo Calero, volta atrás e recontrata presidente exonerada da Cinemateca Brasileira, Olga Futemma e outros quatro técnicos da instituição. 
 
No lugar de Olga, Calero havia nomeado Oswaldo Massaini Filho, acusado de crime de estelionato. Em defesa da troca de cadeiras, o ministro declarou anteriormente que estava atendendo reivindicações da sociedade de substituir os antigos ocupantes dos cargos por servidores de carreira, mas acabou recebendo fortes críticas, isso porque Olga Futemma ingressou no Minc em 1984, portanto é servidora de carreira aposentada da pasta. 
 
Na última terça-feira (26) o MinC publicou no Diário Oficial da União (DOU) a demissão de Olga e de outros 80 ocupantes comissionados, dentre eles do diretor do Museu Vila-Lobos, o maestro Wagner Tiso Veiga, também membro do Conselho Curador da Empresa Brasil de Comunicação (EBC). 
Leia mais »
Média: 2.3 (3 votos)