Revista GGN

Assine

exclusiva

Joesley “desfia mentiras em série”, diz Temer

Além de processar o delator e empresário da JBS, Temer retrucou as acusações, dizendo que Joesley Batista é “bandido notório de maior sucesso na história brasileira"

Michel Temer e Joesley Batista, em inauguração de fábrica de celulose em Mato Grosso do Sul, em 2012
Foto: Romério Cunha - Vice-Presidência

Por Mariana Tokarnia

Da Agência Brasil

O presidente Michel Temer informou, em nota divulgada hoje (17), que vai protocolar, na segunda-feira (19), ações civil e penal na Justiça contra o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F. Em entrevista à revista Época, Joesley disse que Temer é "o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil".

Na nota, o presidente diz que Joesley "desfia mentiras em série" e que o empresário é o “bandido notório de maior sucesso na história brasileira".

Leia mais: "Temer é o chefe da maior e mais perigosa organização criminosa", diz Joesley

Na entrevista à revista Época, Joesley fala que a relação com o presidente Temer nunca foi de amizade. "Sempre foi uma relação institucional, de um empresário que precisava resolver problemas e via nele a condição de resolver problemas".

Leia mais »

Média: 3 (2 votos)

Governo Temer é a síntese do que pensa Eduardo Cunha, diz Dilma Rousseff

Em entrevista exclusiva a Luis Nassif, a presidente afastada expôs o papel de Eduardo Cunha, Michel Temer, Aécio Neves e a Lava Jato no seu impeachment
 
Jornal GGN - "O governo Temer é a síntese do que pensa o Eduardo Cunha", disse a presidente afastada Dilma Rousseff sobre o desfecho do processo de derrubada do cargo mais importante da República, que começou com o PSDB em 2014, concluindo-se no movimento de centro-direita na ascensão do poderio de Cunha. Dilma também revela o papel da Operação Lava Jato, em entrevista exclusiva concedida a Luis Nassif, na TV Brasil.
 
Dilma Rousseff retorna dois anos atrás para explicar como Aécio Neves (PSDB-SP), a Lava Jato, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Michel Temer conectam-se nesse processo de tentativa de destituí-la do poder. 
 
A primeira das empreitadas partiu do candidato derrotado, Aécio Neves (MG), nas eleições presidenciais de 2014. "A reação foi bastante atípica em relação ao que vinha ocorrendo no Brasil. Ninguém nunca pediu recontagem de votos, ele pediu. Ninguém nunca pediu para fazer auditoria nas urnas eletrônicas, que são tidas no Brasil como uma das grandes e positivas ações que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou nesse país", lembrou, citando duas medidas tomadas pelo PSDB, ainda naquele ano, na insistência de não garantir à Dilma a conquista das urnas. 
 
"Eu tinha de ser diplomada no início de dezembro. Mas em dezembro, eles entram no TSE alegando que a minha campanha tinha problemas e eu não podia ser diplomada", também mencionou, completando que a tentativa foi fracassada, porque o Tribunal aprovou as contas da presidente Dilma, realizando a sua diplomação no dia 18 de dezembro. Apesar da aprovação do Judiciário, o partido de Aécio não desiste e entra com outro pedido, no mesmo dia, de cassação da candidatura da chapa vencedora.
 
Paralelamente às tentativas da oposição, Dilma relata que toma rigidez um movimento do PMDB à direita, sob o comando explícito do deputado Eduardo Cunha (RJ). Essa mudança atingiu o seu sucesso na ascensão de Cunha à presidência da Câmara. Mas o início dessa mobilização, relembra a presidente, foi estruturada em anos anteriores. 
Média: 4.1 (19 votos)

Política, propina e futebol: entrevista de Jamil Chade a Luis Nassif

Jornal GGN – O jornalista Jamil Chade, correspondente internacional do Estadão, está lançando um livro chamado Política, propina e futebol – Como o “padrão FIFA” ameaça o esporte mais popular do planeta.

Na obra, o jornalista desvenda como funcionava o pagamento de propinas e subornos da entidade e explica como os cartolas usavam contratos comerciais e de direito de transmissão para enriquecer.

Jamil Chade esteve em São Paulo para um evento de lançamento do trabalho e concedeu entrevista exclusiva a Luis Nassif sobre o assunto.

Abaixo, os vídeos da entrevista e a transcrição completa:

Leia mais »

Média: 4 (8 votos)

Para não dar crédito à CartaCapital, jornais publicam notícia com uma semana de atraso

Jornal GGN - Para não dar crédito ao furo da CartaCapital, os jornais O Estado de S. Paulo e O Globo deram a notícia de que as investigações da Lava Jato não se limitam à Petrobras com quase uma semana de atraso. Apenas quando o juíz Sérgio Moro tocou no assunto foi que os periódicos destacaram o fato, em 5 e 6 de dezembro. Mas a revista de Mino Carta já havia publicado, com exclusividade, e no final do mês passado, uma reportagem sobre quase 750 obras que Alberto Youssef intermediou com outras empresas públicas além da Petrobras. (Leia mais aqui)

Mino Carta escreveu sobre o episódio.

O país virtual

Por Mino Carta

Na CartaCapital

As manchetes que ornam esta página encabeçaram recentemente o noticiário de dois jornalões nativos. Acima (por incrível que pareça) o Estadão de sexta 5 de dezembro, abaixo O Globo de sábado 6. As duas manchetes poderiam ter saído uma semana antes. Bastaria ter dado repercussão à reportagem de CartaCapital, nas bancas em São Paulo na sexta 28 de novembro e no dia seguinte no Rio e em todo o País. É o que teria acontecido se a nossa mídia fosse digna de um país contemporâneo do mundo, democrático e civilizado.

Leia mais »

Média: 4.8 (21 votos)

Lula: "Neste país, há sempre uma tentativa de golpe contra a democracia"

Jornal GGN - Em entrevista exclusiva à Revista do Brasil (RBA), o ex-presidente Lula disse que está "preocupado" com a divulgação dos depoimentos do doleiro Alberto Yousseff e do ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, na ação que investiga desvios na estatal. Segundo Lula, é muito suspeito que em pleno segundo turno da campanha presidencial, um processo que está fundamentado em uma delação premiada passe a ser divulgado na imprensa sem que haja provas contra o PT.

"Se daqui a quatro meses for provado que não é verdade, o prejuízo está feito", disse, ao analisar que o caso pode dificultar a reeleição da presidente Dilma Rousseff. Segundo Lula, a grande mídia tradicional se comporta há 12 anos como um verdadeiro partido de oposição, muito mais eficiente do que o PSDB. O GGN reproduz a entrevista abaixo.

Lula exclusivo: 'Quem arrumou a casa fomos nós'

Da Revista do Brasil

Parece que foi ontem, mas aconteceu em 2002. O metalúrgico, sindicalista e fundador do PT Luiz Inácio Lula da Silva tornava-se presidente da República, em sua quarta tentativa. Derrotou o partido que, hoje, 12 anos depois, diz ser o da "mudança."

O PSDB de Aécio Neves já tem até ministro anunciado, o ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga, que insiste: é preciso “arrumar a casa”, a economia está uma bagunça. Como assim?, pergunta Lula. "Ele, na verdade, é um desarrumador de casa. Quem arrumou a casa fomos nós."

Leia mais »

Média: 4.7 (14 votos)