Revista GGN

Assine

Interino da Cultura se demite e é o terceiro a deixar pasta no governo Temer

34715272706_836407c7b9_k.jpg

Foto: Acácio Pinheiro/MinC

Jornal GGN - João Batista de Andrade, que ocupava interinamente o cargo de ministro da Cultura, pediu demissão nesta sexta-feira (16). Andrade assumiu a pasta depois da saída de Roberto Freire (PPS), ocasionada pelas gravações de Joesley Batista, da JBS.

Em carta para o presidente Michel Temer, o ex-ministro disse que não tinha interesse em continuar na pasta. Segundo a Folha de S. Paulo, sua demissão foi motivada pelo corte de 43% do orçamento do MinC e por polêmicas em relação à nomeação do presidente da Agência Nacional do Cinema, a Ancine.
 
Andrade, que também é filiado ao PPS, defendia a nomeação de Debora Ivanov, que é apoiada por cineastas e pelo ex-titular da pasta, na Ancine. Entretanto, o governo de Michel Temer preferiu outro nome.
 
O Planalto pretendia colocar Sérgio Sá Leitão na presidência da agência e um nome indicado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assumiria uma diretoria da Ancine.
 
Ele também disse que a pasta ficou “inviável” após os cortes orçamentários, dizendo que a o MinC já estava deficiente. “É um ministério inviável tratado de forma a inviabilizá-lo ainda mais”, afirmou.
 
Escritor, roteirista e cineasta, Andrade também foi secretário de Cultura do Estado de São Paulo em 2005 e, entre 2012 e 2016, foi presidente da Fundação Memorial da América Latina (SP).
 
Andrade é o terceiro nome a deixar o Ministério da Cultura no governo Temer. No início da sua gestão, o peemedebista havia rebaixado o status do MinC, mas depois voltou atrás. 
 
Marcelo Calero foi o primeiro a assumir a pasta no governo de Michel Temer e deixou a cargo acusando o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) de tê-lo pressionado para liberar uma obra no centro histórico de Salvador.
 
Agora, o governo estuda os nomes do deputado André Amaral (PMDB-PB) e da senadora Marta Suplicy (PMDB-SP) para assumir a pasta.
 
Leia a íntegra da carta de demissão de João Batista de Andrade:
 
Brasília, 16 de junho de 2017.
 
Ao Excelentíssimo Presidente da República
 
Senhor Michel Temer
 
Ref.: Vacância do cargo do Ministro Interino da Cultura
 
Comunico a Vossa Excelência, respeitosamente, o meu desinteresse em ser efetivado como Ministro de Estado da Cultura, posto que venho exercendo interinamente, e por determinação legal do regimento interino, por ser o atual Secretário-Executivo do Ministério da Cultura.
 
Assim sendo, confirmo a minha disposição para contribuir da forma mais proativa possível com a transição de gestão no Ministério da Cultura, até a nomeação do próximo Ministro de Estado da Cultura e seu respectivo Secretário-Executivo.
 
_Respeitosamente,_
 
João Batista de Andrade
 
Ministro do Estado Interino da Cultura 
 
Assine
Média: 5 (4 votos)
6 comentários

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".

Será que a Marta

aceitaria ? Afinal ela deixou o PT devido à corrupção (?) Eta sinuca de bico ! Não ganhou a prefeitura de SP e nem foi escolhida para a Cultura. Como ninguém quer o ministério .....

Seu voto: Nenhum (1 voto)

lenita

Tudo de cabeça pra baixo....Muuito complicado !

É sério: Marcha para Jesus teve oração em apoio àsreformas de Temer

 

 UOL 16  junho de 2017

 

O discurso de combate à corrupção abriu nesta quinta-feira (15), em São Paulo, a 25ª edição da Marcha Para Jesus, maior evento evangélico do país. A estimativa dos organizadores é de que 2 milhões de fiéis participem do ato ao longo do dia. A Polícia Militar não fez estimativa.
 

Apesar das críticas à corrupção na classe política, os organizadores da marcha pouparam o presidente Michel Temer (PMDB), investigado e citado em delações da JBS, e apoiaram a aprovação das reformas Trabalhista e Previdenciária, mote de manifestações públicas que levaram milhares de pessoas às ruas nas últimas semanas.

“A oração inicial foi para mostrar que só ela mesmo, a oração, para quebrar esse ciclo de corrupção que estamos enfrentando no país”, explicou ao UOL o apóstolo Estevam Hernandes, fundador da marcha. Para ele, na prática, isso se traduz na necessidade de “uma renovação completa na política”.

Indagado se isso representaria, por exemplo, também a renúncia ou o impeachment de Temer – que foi convidado para o evento, mas não confirmou presença-, o apóstolo negou.

 

 

Seu voto: Nenhum

A dalhanhagem está disseminada .

É sério: Marcha para Jesus teve oração em apoio às reformas de Temer

 

 UOL 16  junho de 2017

jesus

O discurso de combate à corrupção abriu nesta quinta-feira (15), em São Paulo, a 25ª edição da Marcha Para Jesus, maior evento evangélico do país. A estimativa dos organizadores é de que 2 milhões de fiéis participem do ato ao longo do dia. A Polícia Militar não fez estimativa.
 

Apesar das críticas à corrupção na classe política, os organizadores da marcha pouparam o presidente Michel Temer (PMDB), investigado e citado em delações da JBS, e apoiaram a aprovação das reformas Trabalhista e Previdenciária, mote de manifestações públicas que levaram milhares de pessoas às ruas nas últimas semanas.

“A oração inicial foi para mostrar que só ela mesmo, a oração, para quebrar esse ciclo de corrupção que estamos enfrentando no país”, explicou ao UOL o apóstolo Estevam Hernandes, fundador da marcha. Para ele, na prática, isso se traduz na necessidade de “uma renovação completa na política”.

Indagado se isso representaria, por exemplo, também a renúncia ou o impeachment de Temer – que foi convidado para o evento, mas não confirmou presença-, o apóstolo nego

Seu voto: Nenhum
imagem de ml
ml

A Marta recusou o convite!

A Marta recusou o convite! Estamos perto... muito perto. Quando o Cristovam Buarque recusar algo, teremos certeza que o Temer irá cair.

Seu voto: Nenhum (1 voto)

Vamos a uma breve reconstituição dos fatos

1) A Presidenta é afastada, a camarilha toma o governo e o Poder. Começam as nomeações, um verdadeiro circo de horrores. A pasta da Cultura torna-se um problema, ninguém quer. Pelo menos 5 (cinco) recusaram, a cada nome cogitado, as redes sociais passam a execrar, afinal, quem aceitasse o cargo estaria participando do golpe. Surge o nome do João Batista de Andrade, começam as pressões das redes sociais. Fernando Morais, do seu bunker no Facebook dispara petardos pesadíssimos, visando constranger o amigo, para que não aceite. A mulher de João Batista de Andrade passa a responder na sua página no Facebook, desmentindo mas nem tanto assim, ele fora sondado de fato. 

2) Até que Marcelo Calero, o brevíssimo, aceita. Seu mandato dura pouco mais de 4 meses, sai atirando, tampando o nariz, chocado com o show de horrores do Gedel. Resumo: o cara aceitou fazer parte de um bordel, depois saiu se queixando porque, veja só, no bordel não havia freiras. Desembarcou no Rio abraçado pelos amigos. 

3) E vem o Bob Freire, aquele do Partidão, que assume em 23.11.2016, A reboque, traz o colega de Partidão JB de Andrade, que topa ser o Secretário Executivo, a despeito de todas as evidências de que o bordel, ou seja, o governo Temer, tinha evoluído para um covil de bandidos. 

4) Bob, o breve, dura um pouco mais, 6 meses, em seu lugar assume interinamente o Secretário Executivo, em 22.05.2017, para se demitir apenas 25 dias depois. Cabe a mesma pergunta: não sabia? Vai alegar surpresa? 

Que o jovem e desconhecido Marcelo Calero aceitasse, vá lá, bateu a vaidade. Que a prostituta velha do Bob Freire também, perfeitamente compreensível. Não dá para entender mesmo o JB Andrade, um cara sério, íntegro, no histórico ter sido ex-Secretário Estadual de Cultura de SP, ter aceitado entrar para o covil de bandidos apenas para atender o convite do amigo de velhos tempos de Partidão. 

Não há virtudes em bordel, muito menos santos em covil de bandidos. 

Seu voto: Nenhum
imagem de Serjão
Serjão

Sem corpo e sem alma

Do que viveremos nós os brasileiros?

O desmanche é completo, geral.

Saúde, educação, trabalho e riquezas.

O que sobra?

Seu voto: Nenhum (1 voto)
imagem de Edivaldo Dias Oliveira
Edivaldo Dias Oliveira

Toma lá, dá cá.

Segundo o g1, saiu para não ser saído.

O PMDB e a bancada mineira estão de olho na pasta e o golpista já tinha anunciado publicamente que iria tirá-lo para fazer a barganha em troca da rejeição das graves denúncias que pesam contra ele.

Será que se ele não soubesse que seria demitido, pediria demissão? Duvido.

Seu voto: Nenhum (4 votos)

Segundo o G1, a recessão está

Segundo o G1, a recessão está acabando e logo teremos a economia funcionando a todo vapor.

Acredite se quiser.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.