Revista GGN

Assine

Literatura

o amor de camões, 1, por romério rômulo

o amor de camões, 1

por romério rômulo

 

vou te entregar o meu amor sedento

e vou saber do teu amor avaro

todo tão triste sobre meu lamento

todo tão dor sobre teu corpo raro.

 

de tanto amor eu sempre me acrescento.

Leia mais »
Média: 5 (6 votos)

Macbeth Macunaíma, por Sérgio Saraiva

Vivemos tempos velozes onde tudo que é sólido se desmancha no ar.

"O que deve ter pensado Sergio Moro ao ver Alexandre de Moraes ser ungido Ministro do Supremo?"

Por Sérgio Saraiva

Há uma personagem que sempre me encantou – Macbeth. Sua grandeza trágica, patética, sua capacidade de trair para alcançar o poder e sua destruição pelas mesmas forças que o levaram até o poder.

A ambição como a dama da tentação: “quando ousaste desejar, foste um homem”.

E as mesmas bruxas a profetizar a derrota final no sortilégio das palavras com que anunciam a glória iminente e certa.

Poucos o representaram tão bem nos tempos velozes que vivemos no Brasil quanto o ex-ministro Joaquim Barbosa.

Mas o Brasil está pródigo em parir um Macbeth Macunaíma a cada queda de um anterior e a pô-los em luta de morte pelo trono, uns contra os outros.

Não me refiro a Michel Temer - traidor, sem dúvida, mas desprovido de qualquer traço de grandeza que o habilitasse ao papel.

Macbeth Macunaíma - Aécio Neves e Eduardo Cunha. E agora Sergio Moro.

O que deve ter pensado Sergio Moro ao ver Alexandre de Moraes ser ungido Ministro do Supremo?
Leia mais »

Média: 4.8 (6 votos)

Lista de Livros: Quem é o povo no Brasil?, de Nélson Werneck Sodré

Seleção de Doney

Lista de Livros: Quem é o povo no Brasil?, de Nélson Werneck Sodré

Editoria: Civilização Brasileira

Opinião: bom

Páginas: 66

     “Há, evidentemente, em todos os tempos, população e povo. Os dois termos designam a mesma coisa apenas na fase inicial da história humana, a da comunidade primitiva, quando não existem classes: povo é então toda a população. A divisão do trabalho assenta em condições naturais e não em condições sociais; assenta nas condições de sexo e idade: o homem realiza determinado trabalho; a mulher, outro; o velho, outro. É uma divisão natural: não torna alguns elementos mais ricos do que os outros, nem mais poderosos. Mas quando a sociedade se desenvolve, surgem as classes sociais e, com elas, a divisão social do trabalho: uns trabalham, outros usufruem do trabalho alheio. A partir desse momento, povo já não é o mesmo que população: os termos começam a designar coisas diferentes. E não há, a partir de então, critério objetivo para definir o conceito de povo que não esteja ligado ao conceito da sociedade dividida em classes.”

*

     “Em diferentes fases históricas e em diferentes países, portanto, o conceito de povo corresponde a diferentes agrupamentos de forças sociais. Há uma composição específica para cada situação concreta; não uma situação eterna e imutável; povo não é a mesma coisa em diferentes situações históricas. Mas, evidentemente, encontra-se um traço geral, permanente, que atravessa a história e se repete em cada lugar, algo que existe em qualquer tempo e em qualquer lugar, quando se trata de povo e se procura definir o conceito, para compreender o papel dessa força social na vida política. Esse traço é o seguinte: em todas as situações, povo é o conjunto das classes, camadas e grupos sociais empenhados na solução objetiva das tarefas do desenvolvimento progressista e revolucionário na área em que vive.

Leia mais »

Média: 4.2 (5 votos)

Quem vê que em branca neve nascem rosas

Enviado por Gilberto Cruvinel

Quem vê que em branca neve nascem rosas

Luís Vaz de Camões

Quem pode livre ser, gentil Senhora,
Vendo-vos com juízo sossegado,
Se o Menino que de olhos é privado
Nas meninas de vossos olhos mora?

Ali manda, ali reina, ali namora,
Ali vive das gentes venerado;
Que o vivo lume e o rosto delicado
Imagens são nas quais o Amor se adora. Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Sexta lei do decálogo da classe média: nosso admirável mundo novo, por Sebastião Nunes

Sexta lei do decálogo da classe média: nosso admirável mundo novo

por Sebastião Nunes

SOMAR NÃO É SUBTRAIR

Tendo absorvido sua porção diária de Soma* um casal de inclames (indivíduos de classe média) perdeu por completo a (sic) tesão**. Sentiram-se então pastosos que nem abacate liquidificado no que se chama vitamina de abacate nos botecos de mauseráveis da zona boêmia do Baixo Meretrício (versão popular do Alto Meretrício, alocado junto aos poderes executivo, legislativo, judiciário e à mídia televisada, oralizada e impressa).

Leia mais »

Imagens

Média: 3.9 (7 votos)

As ruínas da velha injustiça colonial paulista, por Fábio de Oliveira Ribeiro

sp_bandeira.jpg

Por Fábio de Oliveira Ribeiro

01 de abril de 2148. Faz 130 anos que a guerra civil finalmente havia devastado as instituições da antiga capitania hereditária que existiam sob um verniz republicano. Levei meu netinho para ver as ruínas do antigo Tribunal de Justiça que durante muito tempo havia legitimado tanto a corrupção desenfreada do Palácio dos Bandeirantes quanto a odiosa brutalidade da extinta Polícia Militar.

As ruínas eram imponentes. Uma das portas de entrada do prédio ainda estava em pé, parcialmente derretida pelo incêndio. Junto a ela uma pequena seção da parede que a sustentava apresentava marcas dos tiros de canhão que havia recebido. Aquele havia sido um dia glorioso. O dia zero do ano zero.

Os livros contam a história em detalhes. Todos os desembargadores e juízes que se recusaram a aceitar a nova ordem foram presos no edifício do antigo Tribunal. Eles foram fazer companhias aos outros detentos que estavam no edifício: coronéis da PM, políticos desonestos, fiscais da receita estadual que haviam enriquecido de maneira duvidosa, a cúpula do Ministério Público e diversos deputados estaduais. As portas e janelas do prédio foram lacradas por fora.

Leia mais »

Média: 4.6 (20 votos)

Uma noite de carnaval na ditadura, por Urariano Mota

Uma noite de carnaval na ditadura

por Urariano Mota

O que dizer de alguém como Vargas, que me fala nesta noite? É simples, absurdo, cheira mal e me dá lição de que bom é o pão para todos. Eu nada sei, e ninguém sabe até aqui, o heroísmo de que será capaz por uma razão fora do manual marxista que ele vulgariza, com o dedo na minha cara. Ele é o herói sem  Olimpo, devo dizer, o herói sem Homero, sem um só narrador, mas acima da nossa altura, penso, pela ação que desenvolverá daqui a menos de um ano. Agora, nesta noite da sexta-feira de carnaval, não. Com a cerveja que dá um calor do peito, com a batida de limão, o militante de oculto nome Getúlio parece não gostar de mim. E continua a inquisição:

- Você já leu Trótski? Nem mesmo Isaac Deutscher? Nãão?! 

- Eu vi Lênin – me defendo.

- O quê? O Estado e a Revolução? Que fazer? Imperialismo, etapa superior do capitalismo?

Leia mais »

Média: 5 (2 votos)

Lista de Livros: Danúbio (Parte II), de Claudio Magris

Seleção de Doney

Lista de Livros: Danúbio (Parte II), de Claudio Magris

Editora: Companhia de bolso

ISBN: 978-85-3591-337-8

Tradução: Elena Grechi e Jussara de F. M. Ribeiro

Opinião: muito bom

Páginas: 448

      “As janelas dão para o Danúbio, abrem-se sobre o grande rio e sobre as colinas que o dominam, uma paisagem marcada pelos bosques e pelas cúpulas em formas de cebola das igrejas; no inverno, com o céu frio e as manchas de neve, as amáveis curvas das colinas e do rio parecem perder corpo e peso, tornam-se linhas leves de um desenho, uma elegante melancolia heráldica. Linz, a capital da Áustria Superior, era a cidade que Hitler amava mais que qualquer outra e queria transformar na mais monumental metrópole danubiana. Speer, o arquiteto do Terceiro Reich, descreveu aqueles projetos de edifícios gigantescos e faraônicos nunca realizados, nos quais Hitler, como escreveu Canetti, revelava sua febril necessidade de superar as dimensões já alcançadas anteriormente por outros artífices, sua obsessão agonística de bater todos os recordes.

     Nos sonhos do Führer, a ciclópica Linz que ele queria edificar deveria ter sido o refúgio da sua velhice, o lugar para onde ele sonhava retirar-se, depois de ter consolidado definitivamente o Reich milenar e tê-lo confiado a algum digno sucessor. Como muitos tiranos desapiedados, ele também, assassino de milhões e aspirante exterminador de povos inteiros, era um sentimental, que se comovia pensando em si mesmo e se embalava em fantasias idílicas. Em Linz, confiava de vez em quando a seus íntimos, teria vivido afastado do poder, quando muito disposto, como um benévolo avô, a dar conselhos aos herdeiros que viessem visitá-lo; mas talvez, dizia – coqueteando com a hipótese da própria destronação, bem decidido a não permiti-la nunca – ninguém viesse visitá-lo.

     Em Linz, onde havia passado anos serenos, o déspota sanguinário fantasiava reencontrar uma espécie de infância, uma estação livre de projetos e de metas. Provavelmente pensava com nostalgia naquele futuro vazio, no qual gozaria a segurança de quem já viveu, já combateu pelo domínio do mundo e já venceu, já realizou os próprios sonhos, que ninguém poderá mais frustrar. Quando imaginava aquele futuro, sentia-se talvez atormentado pela ansiosa angústia de alcançar logo seus objetivos e roído pelo temor de não conseguir alcançá-los. Desejava que o tempo passasse depressa para ter logo a certeza de ter vencido; desejava, em outras palavras, a morte, e em Linz planejava viver numa agradável segurança semelhante à morte, ao abrigo das surpresas e dos embates da vida.”

*

Leia mais »

Média: 3 (2 votos)

a mão de caravaggio, 14, por romério rômulo

a mão de caravaggio, 14

por romério rômulo

 

caravaggio lavrou todo o vermelho

no lábio vertebral daquele inferno

de boca retalhada pelo mundo.

 

fez uns dedos tão sãos e bem cerzidos

a beleza tão dura e bem tratada

que meus olhos ficaram decaídos.

Leia mais »
Média: 5 (1 voto)

Enquanto a chuva cai, por Manuel Bandeira

Sugestão de Gilberto Cruvinel

A chuva cai. O ar fica mole . . .

Indistinto . . . ambarino . . . gris . . .

 

E no monótono matiz

Da névoa enovelada bole

A folhagem como o bailar.

Torvelinhai, torrentes do ar!

Cantai, ó bátega chorosa,

As velhas árias funerais.

Minh'alma sofre e sonha e goza

À cantilena dos beirais.

Meu coração está sedento

De tão ardido pelo pranto.

Leia mais »

Média: 5 (6 votos)

Os bastidores da agressão de Freire a Raduan Nassar, por Rafael Alves

 
Do Brasil 247
 
 
Por Rafael Alves
 
Texto literário é coisa para Raduan.
 
Textos jornalísticos felizmente já estão sendo veiculados.
 
Este é, quiçá, um desabafo. Uma reflexão a partir do evento em que Raduan Nassar recebeu o Prêmio Camões.
 
Raduan iniciou seu discurso dizendo ter tido dificuldade para entender o Prêmio.
 
Eu estou até agora com dificuldades para entender a cerimônia de premiação realizada ontem, 17 de fevereiro de 2017.
 
Por um lado, sinto a felicidade por ter estado presente num evento de tal importância, ter visto e ouvido uma pessoa como Raduan – o que especificamente em seu caso é algo ainda mais raro, considerando sua discrição e opção pela reclusão.

Leia mais »

Média: 4.6 (19 votos)

Lista de Livros: Danúbio (Parte I), de Cláudio Magris

Seleção de Doney

Lista de Livros: Danúbio (Parte I), de Cláudio Magris

Editora: Companhia de bolso

ISBN: 978-85-3591-337-8

Tradução: Elena Grechi e Jussara de F. M. Ribeiro

Opinião: muito bom

Páginas: 448

     “É verdade que a existência é uma viagem, como se costuma dizer, e que passamos pela terra como hóspedes.”

*

     “Quando se viaja sozinho, como acontece com excessiva frequência, é preciso pagar do próprio bolso, mas algumas vezes a vida é boa e permite passear e ver o mundo, mesmo que só de vez em quando e por pouco tempo, com aqueles quatro ou cinco amigos que testemunharão por nós no dia do Juízo Final, falando em nosso nome.”

*

     “A relva do prado esta ensopada de água, todo o terreno esta encharcado e alagado por uma quantidade de riachos diminutos. No prado as duas irmãs se movem e se molham mais graciosamente que Amedeo, cujo fascínio consiste, aliás, em grande parte, na maciça e tranquilizadora corpulência à Pierre Bezukov. Sua pena é, todavia, digna daquela graça, pousa leve e graciosa nos pormenores como uma borboleta sobre as flores, fixa a ampla nitidez do dia. A fenomenologia tem razão, o simples aparecer das coisas é bom e verdadeiro, a superfície do mundo é mais real do que as gelatinosas cavidades interiores. Santo Agostinho estava parcialmente enganado, quando aconselhava a não sair de si mesmo: quem permanece sempre no interior, divaga e se perde, acaba por queimar incenso a algum ídolo de fumaça saído do lixo dos seus temores, vazio e insidioso como os íncubos que a oração da noite intima a desaparecer.”

*

Leia mais »

Média: 3.7 (3 votos)

Os Pensadores

Enviado por Gilberto Cruvinel

Os Pensadores

Do Filosofando

“Os Pensadores” é uma coleção de livros que reúne as obras dos filósofos ocidentais desde os pré-socráticos aos pós-modernos. O interessante desta coleção é que ela reúne em cada exemplar um pequeno apanhado sobre a biografia do autor em questão e um, dois ou três livros deste mesmo autor, normalmente os títulos mais conhecidos.

Publicada originalmente pela editora Abril Cultural, entre os anos de 1973/1975 era composta de 52 volumes. A edição que indicamos é de 1984 e é composta por 56 títulos (em PDF), segue abaixo a lista de títulos disponíveis. Clique AQUI para baixar.

Leia mais »

Média: 4.6 (10 votos)

Três recortes da STA, minha fictícia agência de publicidade, por Sebastião Nunes

Três recortes da STA, minha fictícia agência de publicidade

por Sebastião Nunes

Entre 1980 e 2000 publiquei quatro edições de um livro que me dá saudade. Por conta dessa lembrança boa, e porque “Somos todos assassinos”, satírico e corrosivo, me parece bastante atual, estou preparando uma quinta edição. Cada “capítulo” é estruturado como um anúncio impresso, ocupando uma ou duas páginas no máximo, com título, ilustração e texto, seguindo o padrão da época em jornais e revistas. Reproduzo aqui três dos textos avulsos, ilustrados com um outdoor “patrocinado” pela STA.

 

O PROGRESSO VOCÊ É QUEM FAZ

Vim de Pernambuco sem emprego e sem coragem, mas meu pai era rico e estudei administração de empresas na PUC e doutorei-me nos Estados Unidos.

Voltei dos Estados Unidos magro e desanimado, mas ganhei apartamento no Leblon, cartões de crédito e pequeno carro esporte italiano.

Leia mais »

Imagens

Média: 4.4 (8 votos)

O império da dor, por Daniel Afonso da Silva

O império da dor

por Daniel Afonso da Silva

Bertrand Badie domina a arte de surpreender, provocar e cativar. Autor e professor consagrado em todo o mundo como refinado analista político e observador do meio internacional, ele vem há mais de quarenta anos ampliando nossos instrumentos de apreensão política das realidades internacionais. Sociologie de l’État (1979), La fin de territoire (1995), Un monde sans souveraineté (1999), L’impuissance de la puissance (2004), Le diplomate et l’intrus (2008), La diplomatie de connivence (2011), Quand l’Histoire commence (2013), Le temps des humiliés (2014) são apenas algumas de suas provocações-texto.

Seu último livro, « Un monde de souffrances », consiste na provocação-texto mais recente.

Nele Badie afirma e demonstra que o mundo hodierno vive sob o império da dor e do sofrimento. Pessoas de carne e osso, em sua individualidade e singularidade, alegria e frustração, adentraram essa cena social internacional para não mais sair. Viraram protagonistas incontestáveis de todos os processos políticos nacionais e transnacionais.

Leia mais »

Média: 3 (8 votos)