Revista GGN

Assine

Cinema

Como parar de fumar em cinco passos do vício ao Holocausto em "No Smoking", por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

O primeiro filme de Bollywood (a indústria cinematográfica da Índia) a fazer uma adaptação de uma obra de Stephen King. Definitivamente “No Smoking” (2007) é um filme para cinéfilos aventureiros e amantes do estranho. Parece até que David Lynch encontrou-se com Bollywood – um thriller neo-noir psicodélico, com muito humor negro, surrealismo, um guru irmão bastardo de Hitler e... cigarros. Um arrogante homem bem-sucedido e fumante obsessivo compulsivo é ameaçado pela sua esposa com o divórcio, depois de respirar tanta fumaça. Como largar o vício? “No Smoking” oferece um método de cinco passos: consiga ajuda profissional, envolva familiares e amigos, música, lembrar-se do Holocausto e, finalmente, morra para si mesmo. Além do tema do nazi-fascismo, controle e vigilância da mente e da alma, “No Smoking” faz também um curioso mergulho nas associações simbólicas do tabaco e fumaça associados à alma e consciência.

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
"No Smoking" (Anurag Kashuap, 2007) - trailer
Média: 4.7 (3 votos)

O pesadelo meritocrático e tecnognóstico em "Advantageous", por Wilson Ferreira

A atual safra de filmes independentes de ficção científica é estranha e incômoda. Principalmente porque mostra mundo futuros que mais parecem hiper-reais espelhos do presente. Em “Advantageous” (2015) não vemos futurologia, explosões ou thrillers turbinados por efeitos especiais, marcas do gênero. Mas um futuro próximo no qual finalmente as mulheres galgaram os postos de comando e prestígio, porém dentro de uma implacável ordem meritocrática onde não se trata mais de “a cada um de acordo com seu mérito” – só há duas alternativas: vencer ou perder. Se perder, viver escondido nas ruas ou na prostituição. Se vencer, fazer parte de uma elite cuja juventude e beleza é a marca do marketing pessoal do sucesso. Ameaçada pela demissão por ser considerada “velha” demais, uma executiva de uma clínica avançada de saúde e estética vê-se desesperada com o futuro da sua filha numa sociedade sem escolas públicas e com desemprego em 45%.  Sem saída, oferece-se como cobaia a um novo produto da clínica: a total digitalização da mente para ser transferida a um novo corpo jovem e belo. Um filme sobre identidade e escolhas. Filme disponível na plataforma Netflix.  Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
Advantageous (Jennifer Phang, 2015) - trailer legendado
Média: 5 (1 voto)

Valerian, uma obra prima de Luc Besson

O grande teórico Heinrich Wölfflin afirma que “...devemos mencionar, mais uma vez que cada época cria sua medida, e que nem todas as vistas são possíveis em todos os tempos.” (Conceitos Fundamentais da História da Arte, Heinrich Wölfflin, Martins Fontes, São Paulo, 1996, p.  94). Portanto, não é um erro dizer que toda obra de arte é tributária do contexto em que foi produzida e que este contexto fornece a chave para compreender melhor sua beleza e importância. Leia mais »

Sem votos

Como escapar da Matrix: 10 definições de "gnose" através do cinema, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Desde os clássicos filmes gnósticos “Show de Truman” e “Matrix” a espécie humana é representada como prisioneira em uma gigantesca ilusão cósmica – tecnológica, psíquica ou midiática. Como escapar dela? Para o Gnosticismo, através da “gnosis” (“conhecimento”). Mas que tipo de conhecimento é esse? Uma epifania místico-religiosa? Algum tipo de comunhão secreta com o Divino? Iluminação espiritual? O Cinegnose reuniu dez definições de estudiosos sobre o conceito de “gnose” e como os filmes gnósticos figuram essa espécie de rota espiritual de fuga: quem éramos, o que nos tornamos, onde estávamos, para onde fomos lançados, para onde estamos indo, do que estamos libertos, o que é o nascimento e o que é renascimento.

Leia mais »
Média: 3.7 (3 votos)

Websérie retrata o massacre em Eldorado dos Carajás

Imagem: Divulgação

flyer-exibicao-a-farsa-06-08.jpg

Jornal GGN - A Companhia Estudo de Cena convida para a apresentação, na íntegra, da websérie “A Farsa: ensaio sobre a verdade”, que narra a trajetória do grupo em sua pesquisa sobre o Massacre de Eldorado dos Carajás. O Engenho Teatral, em São Paulo, foi o local escolhido para o grande encontro que acontece neste domingo, 6 de agosto, a partir das 17h30.

A websérie “A farsa: ensaio sobre a verdade” é a continuidade da pesquisa da Estudo de Cena que une experimento de linguagem com o tema da memória e violência social no Brasil. Criada a partir do espetáculo “A farsa da justiça”, a série conta com depoimentos de sobreviventes do massacre de Eldorado dos Carajás e busca evidenciar a luta pela terra, em 21 episódios.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

"Apocalypto": como explicar o fim da civilização maia?, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Muitas vezes encontramos verdades no pensamento conservador. Apenas que elas estão invertidas. Um exemplo é “Apocalypto” (2006). Dirigido por um conservador assumido, o ator Mel Gibson, o filme quer mostrar como foi possível a civilização maia, que alcançou sofisticado conhecimento em Astronomia, Matemática, Artes e Arquitetura, ter se extinguido muito tempo antes da chegada dos espanhóis na América. A hipótese mais aceita é a ecológica (esgotamento dos recursos naturais e mudanças climáticas), que o filme partilha ao acompanhar um protagonista que teve sua tribo destruída e levado prisioneiro para a capital maia para sacrifício em um ritual sangrento para entreter as massas. Na capital maia encontramos seca e doenças. A ignorância e amoralidade poderiam ter levado à decadência. Mas também a dominação e escravidão. Luta de classes custa caro e pode exaurir uma sociedade. Esse é o surpreendente viés aberto por Mel Gibson a partir de um pressuposto conservador em “Apocalypto”.

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
"Apocalypto" (Mel Gibson, 2006) - trailer
Média: 4.2 (5 votos)

Fascismo, sexo e poder em "Tras El Cristal", por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Um filme com aura maldita e perversa. Quando exibido no Festival de Berlim, o seu diretor, o espanhol Agustí Villaronga, foi insultado e quase agredido por espectadores. “Atras El Cristal” (1986) acompanha um médico pedófilo nazista que, sentindo-se culpado pelas atrocidades cometidas nas experiências com crianças em campos de concentração, tenta um suicídio mal sucedido. Tetraplégico, junto com sua esposa e filha, foge para um casarão no interior da Espanha, preso a um bizarro pulmão de ferro que o mantém vivo. Até que aparece um rapaz soturno que se oferece como enfermeiro. Uma antiga vítima do carrasco procurando vingança? Seria um clichê hollywoodiano muito tranquilizador. Villaronga opta por caminhos bem incômodos – a perversa conexão psíquica entre sexo e o fascínio pelo poder, a violência irracional que esconde sempre um desejo alienado e a metáfora de como a sociedade pode ser lentamente seduzida pelo ardil do fascismo.

"O sexo liga as pessoas nos primeiros tempos, mas o que mantém o interesse, a longo prazo, entre elas, é o poder" (Chiang Ching)

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
"Tras El Cristal" (Agustí Villaronga, 1986) - trailer
Média: 5 (2 votos)

Sexo e a nova sensibilidade da maldade em "Corrente do Mal", por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Outrora símbolo da indústria automobilística dos EUA e agora abandonada e repleta de desempregados, Detroit tornou-se nesse século cenário de uma série de filmes que transitam entre o gótico, o terror e o mistério. “Corrente do Mal” (“It Follows”, 2014) é mais um filme que tem a cidade como cenário: fantasmas de pessoas mortas assombram não necessariamente pessoas da cidade, mas adolescentes do subúrbio que fazem sexo – podem ser “contaminados” pelo Mal transmissível sexualmente. Uma espécie de maldição no qual a vítima passa a ser perseguida por entidades assassinas. E a única forma de se livrar do Mal é fazendo sexo com outra pessoa para que a corrente continue. O diretor David Mitchell leva ao paroxismo a nova representação do Mal iniciada no cinema com a disseminação dos zumbis: o Mal não mais determinado ou centrado numa monstruosidade, mas agora indeterminado, mutante e que se dissemina de forma viral, exponencial e catastrófica. Há uma ironia em eleger Detroit como cenário dessa nova ontologia do Mal – os fatores socioeconômicos que levaram a decadência da cidade são os mesmos que fizeram emergir essa nova sensibilidade da maldade. Filme sugerido pelo nosso leitor Felipe Resende.

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
Corrente do Mal (It Follows, 2014) - trailer legendado
Média: 5 (2 votos)

"Tango" - uma curiosa experiência sobre tempo e memória, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Premiado com Oscar de melhor animação em 1983, o curta metragem polonês “Tango” (1981) é uma curiosa experiência de percepção, tempo e memória por meio de efeitos de edição com a incipiente tecnologia digital da época: em um quarto acompanhamos ações em “loop” de personagens que aos poucos vão entrando em cena, até que 36 pequenos contos paralelos (uma mulher troca de roupa, um homem tenta trocar uma lâmpada, um ladrão rouba um pacote etc.) preenchem o pequeno espaço em um plano ininterrupto de oito minutos. “Tango” foi uma profética experimentação: antecipou as principais características atuais das nossas relações com o ciberespaço – simultaneidade, instantaneidade e ubiquidade. Mas principalmente o destino das telas (da TV aos smartphones) no futuro: de janelas que deveria estar abertas para o mundo real se transformaram em simulacro que esvazia a permanência e a memória.

Leia mais »
Sem votos

Filme sobre a Lava Jato, com cenas sobre Lula, não revela patrocinadores

Foto: Divulgação
 
 
Jornal GGN - Com orçamento de R$ 15 milhões e cenas que tratam do caso triplex e da condução coercitiva de Lula, o filme "Polícia Federal - A Lei É Para Todos" vai estrear no dia 7 de setembro sem nenhuma transparência sobre quem são seus patrocinadores. 
 
Segundo a coluna Sem Legenda, da Folha, o financiamento secreto é algo "incomum", assim como ter acesso às dependências da Polícia Federal, onde estão réus da Lava Jato.
Média: 3 (8 votos)

Panzers e Panteras, por Walnice Nogueira Galvão

Panzers e Panteras

por Walnice Nogueira Galvão

A alcunha de Black Panthers coube em sua origem ao 761º. batalhão de tanques do exército americano na segunda guerra mundial, integrado por cerca de oitocentos soldados negros. Desembarcaram na invasão da Europa e foram em frente, atravessando vários países. Comandados pelo general Patton, a certa altura eram o corpo do exército aliado mais avançado a Leste, com exceção dos russos. Trinta anos depois o presidente Jimmy Carter conferiu uma condecoração coletiva à unidade, que se distinguiu pelos atos heroicos.

Como o modelo do tanque alemão se chamava “Panther” (das Panzerdivisionen), quase homófono de Panzer, eles adotaram esse nome. O logo pintado nos tanques era a cabeça da fera, altamente estilizada, de perfil, estática. Anos depois, bem diferente era a pantera do partido negro dos anos 60: de frente, agachada e preparando o salto, ameaçando o observador.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Seis filmes e a relação capital-trabalho, por Claudio Santana Pimentel

Seis filmes e a relação capital-trabalho

por Claudio Santana Pimentel

Tempos de incertezas, ou de crueis certezas que se impõem, reforçadas pela recente aprovação da reforma trabalhista, reforma que, como tem sido comum neste país, mais uma vez privilegia os interesses não dos trabalhadores, mas do capital.

As artes, e o cinema especialmente, propiciam oportunidades para refletir sobre a relação capital-trabalho; sobretudo, por ressaltar a assimetria entre trabalhador e patronato, a desigualdade entre o empregado e o patrão, cuja negação é a premissa interesseira do neoliberalismo e de seus representantes.

A presente lista apresenta alguns filmes que, de diferentes maneiras e mirando diferentes momentos históricos, oferecem subsídios para pensar essa relação além e contra a métrica neoliberal.

Leia mais »

Média: 5 (4 votos)

Transformers 5, ou o triunfo da propaganda sobre as virtudes da lenda do rei Arthur

Por Fábio de Oliveira Ribeiro

 

Não pretendo falar do enredo confuso do filme. Também não comentarei as cenas de ação monotonamente extravagantes e o final previsível.

Duas coisas me chamaram a atenção em Transformers 5. A primeira foi a propaganda descarada do F-35 e do novo Destroier da marinha dos EUA. A segunda é a transformação que estes dois personagens sofrem no filme.

Leia mais »

Média: 4.4 (8 votos)

"Perfeitos Desconhecidos": negociamos com a verdade através dos celulares e smartphones, por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Celulares e smartphones se transformaram em verdadeiras caixas-pretas das nossas vidas – registros de ligações, mensagens, nossos segredos e pecados mais íntimos estão nesses dispositivos. Passamos cada vez mais tempo fazendo dupla tela nas mais diversas situações. Se a vida social funciona dentro do triângulo público/privado/segredos, qual o impacto desses dispositivos na vida conjugal e pessoal? Esse é o tema da comédia dramática italiana “Perfeitos Desconhecidos” (Perfetti Sconosciuti, 2016). Sete amigos reúnem-se para um jantar quando alguém na mesa sugere uma nova versão do velho “Jogo da Verdade”. Só que agora, com os smartphones de todos colocados no centro da mesa – todos terão que compartilhar com os presentes as mensagens e ligações recebidas naquela noite. Mais que confusões e mal entendidos, o filme aborda como a função da mentira é, muitas vezes, mais do que iludir: é negociar com a verdade. Filme sugerido pelo nosso leitor Eduardo G.

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
“Perfeitos Desconhecidos” (Perfetti Sconosciuti, 2016) - trailer legendado
Média: 5 (2 votos)

O místico e o mágico acertam contas com o Ocidente em "Nem o Céu Nem a Terra", por Wilson Ferreira

por Wilson Ferreira

Em posto avançado militar francês em um lugar remoto, montanhoso e desolado na fronteira entre Afeganistão e Paquistão, soldados esperam a chegada de um comboio da OTAN para retirá-los de lá e leva-los para suas famílias. Repentinamente, no meio das noite solitárias e frias, soldados começam a desaparecer de seus bunkers de observação. Tudo que têm como suspeitos é uma aldeia de criadores de ovelhas e soldados talibãs, que também começam a ser vítimas dos misteriosos desaparecimentos.  Essa é a coprodução franco-belga “Nem o Céu Nem a Terra”(Ni Le Ciel Ni La Terre, 2015), uma fábula do Realismo Fantástico no qual é descrito o fracasso de toda racionalidade e da tecnologia militar de vigilância e informação diante de um inimigo invisível e incompreensível para a lógica Ocidental: o místico e o mágico que o avanço da Razão Ocidental julgou ter eliminado através do “desencantamento do mundo”. Filme sugerido pelo nosso leitor Felipe Resende. 

Leia mais »

Vídeos

Veja o vídeo
"Nem o Céu Nem a Terra" (França-Bélgica, 2015) - trailer
Média: 5 (1 voto)