Revista GGN

Assine

Blog de Cafezá

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Indaí, mestre Bódim tumô a palavra:

- Daqui in diante, a jeinti vai tê di tumá muito maisi cuidado. 

- Ié vérdadi, mestre. Ieu tô achanu qui tem arguém traíno nóis.

- Sim, jarirí. Ieu tenhu cérteza disso. Pelas prigunta qui us assassinus fizeru pá Tuxo, dá pá percebê qui eiles tão sabenu di muita cousa.

- Nóis já fizemu contato cum muita jienti da ciudadi. Ié cérto qui o judas tá entre éissas péssoa. Daqui pá frenti a jienti vai tê di andá cumu quem caminha sobri jabuticabas caídas nu chão.

- Ieu acho, mestre, qui Minérva, qui trabaia na casa du pai di Catarina, pódi tá sabenu quem é o traíra.

- Ucê tá cérta, Néja. A jienti pricisa fazê contatu urgente cum éila.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Indaí eu num seio se dismaiei ou durmí. Eu lembro qui sonhei cum um lugá muito distanti em qui ieu inxérgava o mar. Maisi eu nunca vi o mar, cumu é qui eu póderia sonhá cum eile? Éra um mundaréu di água qui num acabava mais, ieu num sintia ninhuma dor, meu cuórpo tava bão i saudávél, ieu num quiria acórdá nunca mais.

- Uilsso ié nórmal, Tuxo. O teu inconscienti barrou as tuas dor. 

- Sim, mestre. Foi uilsso memo qui acunteceu. Foi um alívío muito grande.

- I foi aí qui eu acordei cum Jarirí mi chamanu.

- Foi muita sórti, ucê iscapô da mórti pur muito poco.

- Ié vérdadi, acho qui eu já tinha entrégado os ponto.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Indaí, adispois di me espancarem mais e mais, um deles falô:

-  Vamu durmí, eu fiquei cansado di tanto batê neile. 

- Mais agóra a jienti tem di matá, foi uilsso qui o chefe órdenô.

- Eu seio, mais se a jienti matá eile agóra, o cuórpo vai cumeçá a fedê.

- Ucê tá cérto, eile já tá fedeno sangue.

- Adispois di matá, adondi a jienti vai jogá o cuórpo?

- Na praça do centru da ciudadi, pá todu mundo vê o qui acontéce cum quem ingana a jienti.

- Ieu acho qui o chéfe vai góstá disso. 

- Vai sim. Eile vai apróvá.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Éra miór qui eu num tivéssi iscuitado a cunvérsa. Um desespero baxô ni mim, maisi eu cumessei a rézá umas óração qui a miamãe rézava cuando eu éra criança e uilsso fez cum qui eu mi acalmasse um poco. Eu fiquei préparado pá morrê. Ieu pércebí qui o chéfe tinha ido imbóra i qui us assassinus foram durmí. Entoncis, eu num sei se eu dismaiei ou se eu durmí, só sei qui acórdei cum eiles mi batenu.

- Vamo arrancá as zunha deile.

- Cérto, eu vo pégá um alicati.

- Péga alcool tumém, pá jogá nas firida deile.

Indaí, cuandu chegô o alicati, eu tava meio apagado, sem sabê dereito o qui tava acuntécenu. Eiles cumessaru a rrrancá as mia zunhas i ieu num sintia nada. Foi só uma dorzinha a mais na grandi dor qui eu tava sintino.

-

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Arte Naif - Francisco Domingos da Silva

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Entoncis, eiles mi bateru tanto qui eu dismaiei. Cuando eu récobrei os sentidu, meu cuórpo intero tava doendo muito, dos pé inté a cabessa eu éra uma só dor. I foi indaí qui eu iscuitei eles cunversanu cum arguém no quarto du ladu.

- Eile abriu o bico?

- Abriu não, chefe. Eile é durão, mesmo inbaixo di muita pancada, aguentô firme.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adispois, eiles me priguntaru sobri quem tá morando na casa di mestre Bódim. Ieu arreśpondí qui só eu, Jarirí e Catarina, ninguém mais.

- Ucê tá mintino, a jienti sabi qui tem otras péssoas qui istão arranchada lá.

I foi, indaí, qui eiles cumessaru a mi batê, mi ismurrano i mi chutanu.

- Se num abrí o bico, passarinhu, a jienti vai te matá na porrada.

- Eu to falanu a vérdadi, se eu subéssi, eu falava, eu num quéro morrê.

- A mãe de Catarina e Nicanor tumém móra lá.

- Num móra não, eu nem cunheço essa jienti.

- Quar qui é os plano ducêis?

- A jienti num tem plano não.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, os préparativu pá fésta cumessaru lógo. Premeru, Néja e Catarina foru pá cuzinha prépara as guloseimas. Incuanto uilsso, Tuxo cumesou a contá in detalhis cumo foi o intérrogatório ao quar eile foi submétido pelus assassinus.

Eiles quiriam sabê muitas cousas. Premeru, eiles priguntaru sobri as onça que tem aqui. Cuantas são éilas i cumé qui mestre Bódim treina éilas. Indaí, eu arréspondí, aumentanu bastanti o número déilas.

- Tem 57 onça adulta e 19 filhótis. Ieu num seio cumu mestre Bódim treinas éilas, ieu nunca vi eile fazenu uilsso.

- Èssas onça tem medo di cachorro?

- Não, éilas num tem medo di nada. Si aparéci algum cachorro, éilas matam na hóra.

- O qui ucê tava fazendo aqui na ciudadi? Adondi ucê tava indo? Cum quem ucê iria se encontrá?

- Eu tava indo pra casa da miamãe. Ieu num ia mi encontrá cum ninguém não.

- Ucê tá cum mintirada.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, Tuxo ficô cum a vóz embargada, parô di falá e cumessô a chorá.

- Eu num consigo falá maisi nada.

- A jienti entendê, Tuxo. É um trauma muitu récenti. Ucê pricisa di tempo pá cumessá a si récuperá.

- Foi muitu difícir, mestre.

- É craro qui foi. Óia u istadu qui ucê ficô.

Indaí, Catarina, qui tumém tava chóranu, falô.

- Vamu fazê uma fésta pá Tuxo.

- Vamu sim! 

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

- Indaí, ieu fui lévado pá casa adondi ucêis me encontraru. Fui amarrado na cadera e eiles recumessaru a me esmurrá. Adispois de cada saraivada di murros i pontapés, eiles me priguntava:

-  Além ducê, quem maisi móra na casa du Bódim? 

- Eu num seio. Ieu num móro lá não. Ucêis pegaru a péssoa érrada. 

- Ucê vai piá passarinho. Conta tudo senonci ucê num sai vivo daqui.

- Eu vo piá o que? Ucêis tão quérenu tirá leite de pédra. Se eu subéssi di arguma cousa, eu já téria faladu. Eu so muito novo pá morrê.

Entoncis, um deles falô:

- Vamu pégá o alicate pá cumessá a rrrancá aszunha deile.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adispois di recébê o tratamentu di mestre Bódim e de tumá um litro cheio di chá cum gôsto fórti i cor di café cum leite, Tuxo si acalmô i cumessô a contá sobri cumo eile foi pêgo:

- Eu tava indo pá casa di mia mãe cuandu um fusca parô pérto di mim i dele desceru trêis homi qui eu nunca tinha visto na mia vida. Me apontaru os révórvi i disseru qui se eu num entrasse no carro eiles iriam mi matá ali mesmo. Eu entrei, num tinha otra salução. I já foi ali memo drentu du carro qui eiles cumessaru a me esmurrá. Ieu gritava, dizenu qui eiles tinham pêgo a péssoa érrada.

- É ucê memu qui nóis qué, ucê é o Tuxo Pescadô, comparsa di Catarina i Jarirí.

- Sou não, meu nome é Florisvaldo. Ieu num so pescadô, eu so pedreiro.

- Pára di inventá estória, a péssoa qui apontô ucê não ia érrá.

- Quem foi qui mi apontô? 

- Uilsso é segrêdo.

- Purquê é segrêdo? 

- Cala a boca, num é ucê qui tem di priguntá, ucê só tem di respondê. Tá querenu inganá a jiente. Ucê é muito ispérto.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, mestre Bódim pegô um lençól, rasgô eile em tiras, pôs um pédaço di gaio di arueira em cada braço de Tuxo i enfaixô eiles bem.

- Lógo ucê vai tá bão desses braçu, Tuxo. Eiles vão cólá rápidu.

- Eu to pensanu, mestre, di qui fórma eu vo fazê minhas nélcéssidadis básica? Vai sê muitu difícir eu abaxá i lévantá a calça.

- Cum jeito ucê conségui. Véste um carção qui fica mais fásil. Pra cumê, a jienti colóca a cumida na tua bôca.

Indaí, mestre Bódim cumessô a enfaixá o tóráx di Tuxo, maisi as trêis custéla québrada tavam muito diluridas e Tuxo gimia di dor.

- Pára, mestre! Eu num to guentanu di dor.

- Carma! Agóra qui eu cumessei, num pósso mais pará. Eu tenhu qui cólócá éilas no lugá cérto. Guenta firme!

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Incuanto Tuxo durmia, Jarirí i Nicanor contavam sobri cumo tinha cido o resgate deile.

- Eile te contô sobri cumo eile foi pêgo?

- Não, eile num cunsiguia falá muito, só gimia.

- Eile foi muito maxucado, o qui pódi siguinificá qui não falô nada do qui eiles quiriam sabê.

- Ieu tumém acho uilsso, mestre. 

I foi indaí qui Catarina surgiu falanu qui Tuxo tinha acórdado. Eiles entoncis levarum eile cum cama e tudo i o puseram na varanda.

- Ieu to me sentindo mélhór, mestre. As doris diminuíru.

- Cérto. Agóra, eu vo imóbilizá os teus braçu.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

- Eu vo demorá muito pra sará, mestre? 

- Vai sim, os machucado são profundo, ucê tem di tê paciência. Antis de quarqué cousa, eu tenhu di aliviá as tuas doris. Sem uilsso, nada funciona i eu num vo pudê nem incostá nucê.

Indaí, mestre Bódim falô pra Néja fazê bem rápidu um chá cum erva cidrera, camomila, erva di santa maria, unha di gato, cuento, casca di abacati, raiz di cambucí, raiz i foia di mãejuana, tudo adoçadu cum mel di jataí. Néja, entoncis, correu pá cuzina i lógo vortô cum o chá pronto.

- Toma divagá Tuxo, ãinda tá um poco quenti.

- Ieu num cunsigo sigurá a canéca, Néja. Meus braçu num respondi, eu num cunsigo muvimentá eiles. Istão bobos.

Entoncis, Néja foi pondo divagarinhu na boca dele, inté qui tumô tudo.

- Daqui a méia hóra as doris cumessam a passar i ucê vai durmí pur algum tempo.

- Âinda bem, mestre. Eu to muito cançadu.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Anssim qui cumessô a ixaminá Tuxo, mestre Bódim já foi vendo qui o istado deile não éra nada bão. Indaí, cumessô a enumerar os póbrema:

- Trêis costéla québrada du lado dereito. Os dois braçu québrado, doze hématomas grandes no abidomem, nariz québrado, treis dentis arrancados, os dois juelhos inchado, tudas as zulha da mão isquerda arrancada, lacerações pelo cuórpo todo, principarmienti nas cósta, mandíbula dislocada pelo lado isquerdo, dois córte na cabeça.

- Eu quéru água, mestre. To cum muita sede.

- Ãinda não, Tuxo. Eu pricisu vê si ucê tá cum hémorrajia intérna, uilsso é o maisi impórtanti.

Entoncis, mestre Bódim pegô uma lantérna, abriu oszólhos di Tuxo i cumessô a ixaminá as iris.

- Que sórti! Eile num tá cum hémórragia intérna não. Tráz água prele.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

A madrugada crescia, pronta pá recebê o Sol qui surgiria di mansinhu, flor di luz na nascenti, prata isparramada nu verde da mata. Jarirí sigurandu na frenti da maca, Nicanor sigurando atraizi, suavam muito. Tuxo, fórti e alto, pesava iguar um capado. As veizi gimia dilurido i adispois gritava: "Eu so feito di doris". Carma, Tuxo. Nóis já tamo chéganu, farta pouco. Inté qui chegaru i Nicanor distampô a gritá:

- Acórda, jienti! Nóis nécessitamu di socorro!

Maisi tudos eiles istavam acórdados, ninguém drumiu di tanta préocupação.

- Eiles chegaru com o Tuxo! Eile tá vivo! 

- Maisi ou meno, gritô Tuxo.

Mestre Bódim correu i falô:

- Põe eile aqui, ieu vo ixaminá eile.

-

Média: 5 (1 voto)

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Nicanor dirigiu ligeiro e lógo chegaru na intrada da mata. 

- I agóra, Jarirí? O qui a jiente faizi co carro? Dexa eile aqui?

- Não. Entrá cum eile na mata no máximo qui ucê conseguir. Entra e a jienti iscondê eile. Vai pudê nos serví in caso di muita nécéssidadi. 

Entoncis, Nicanor ãinda cunsiguiu dirigir pur uns quinhentos métro, se esgueiranu pur entre as arves. Para tirá Tuxo de drentu do carro, eiles tivéru muito trabaio. A cada puxada qui eiles davam, éra um gemido qui eile sortava. Adispois, Jarirí pegô vários galho caídos i cubriu o carro, qui ficô bem camuflado.

- Agóra, ieu vo fazê uma maca cum galho trançado pá transpórtá Tuxo, é muito lonji pá carrégá eile nos braçu.

Adispois de tudo pronto, eiles iniciaru a caminhada naquéla madrugada quenti.

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Jarirí, entoncis, pegô Tuxo nu cólo i foi descenu o corredor bem divagarim inté chegá na garaje. Nicanor e Cascatim já estavam lá.

- Ieu já fiz a ligassão direta, Jarirí. Tamos pronto pá partir. Tomara que o pórtão arrebente rápido. Eu acho qui vai dá tudo cérto.

- Ucê viu se tem gasolina?

- O tanque tá cheio. 

Indaí, Nicanor deu a faísca nos dois fio i o carro ligô. Acelerô nô máchimo i foi de encontro ao pórtão, que feizi um barulhão i escancarô abrino a passajem.

- Nóssa! Cumu é bunita a libérdadi! Sélviçu compréto. Lógo a jienti vai tá in casa. Lógo Tuxo vai sê remendado i tudo vai dá cérto. Viva nóis! È o demonho na rua, nu mei do rédemuínho!

- Viva o mundo, gira-mundo!

-

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Cum muito jeito, Jarirí condusiu Tuxo inté a jinéla. Na hóra di pulá, eile viu qui os dois braçu di Tuxo tavam québradu, o que siria um póbrema pá eile pulá, num dava pá fazê força com os braçu balançando daquele jeito sem controle. E foi aí qui eile teve a idéia di pegá uma cadeira. Colocô Tuxo sentadu néla, passô pela jinéla, sigurô nos subaco deile i foi puxanu divagarim inté qui finalmente cunsiguiu transpor eile. 

- Cumo é qui ucê tá, Tuxo?

- Tô cum muitas doris. Paréce qui meu cuórpo todo tá arrentadu.

- E tá mesmo, mestre Bódim vai tê muito trabaio pá te curá.

- Ié vérdadi, num vejo a hóra di chegá lá.

- Agóra nós vamu ir inté a garaje da casa, Nicanor e Cascatim já devem tá drentu du carro, ispéranu a jienti chegá. A premera métadi du plano tá feita.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Eiles, entoncis, ficaru ispéranu qui us assassinus fossem durmí. Adispois de uma hóra e meia, Jarirí résorveu pulá o pórtão pá vê se eiles tinham ido pra cama. Anssim qui chegô na jinéla do quarto, viu qui sim, eiles tinham dexado Tuxo sózinho. Éira a chance qui eie tinha di libertá Tuxo. Cum muito cuidadu, Jarirí escancarô a jinéla, qui éira baixinha, i pulô pá drentu. Cuandu chegô pérto di Tuxo, viu o quanto eile tinha sido machucado, o rosto deile tava parécenu um bife crú. Dessamarrô as córda qui tavam prendenu as mão deile pá trás, i cumessô a chacualhá eile.

- Tuxo! Tuxo! Acórda! Ieu vo te libertá. Ucê conségui andá?

- Eu acho qui sim. Graças a deuso ucê chegô. 

- Ucê conségui pulá a jinéla? Éila é baixinha. Eu vo te ampará.

- Ieu tenho di conseguí di quarqué jeito.

- Entoncis, vamo caminhá inté lá. Vai sê fácil.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, Jarirí viu qui a garaje da casa ficava ao lado.

- Óia, Nicanor. Tem um artomóvil na garage, paréci qui é um fusca.

- Ié vérdadi. Ieu seio fazê ligassão diréta in quarqué carro.

- Adondi ucê aprendeu a fazê uilsso?

- In antes di sê capanga, ieu fiz parte duma quadrilha qui róbava carro na capitar.

- A féchadura da garaji é iguar a do pórtão de entrada. Ucê faizi u sélviçu nu carro, eu trago Tuxo, ucê acelera u fusca nu úrtimo, arrebenta o pórtão i a jiente iscapa desse inférno.

- É uilsso memo, o fusca vai aguentá, o motor fica atráiz do carro. Vai sê fácil istourá o pórtão.

- Vamu isperá us assassinus durmirem pá jienti por u plano em prática.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Jarirí e Nicanor, entoncis, ficaru in cilêncio, pensau in como fazê pá tirá Tuxo dali. Tava difícil incontrá uma saída páquele enrosco. Adispois di um tempo, Jarirí falô:

- No quarto, só tem a cadera na quar o póbri Tuxo tá amarradu i a mesa in qui us assassinus istão sentados. Num tem cama, o qui significa qui eiles passarão pá outro quarto cuando forem durmí, i Tuxo vai cuntinuá amarrado na cadera. Eu penso qui a nóssa chance ié esperá eiles caírem nu sono, entrá divarinho i in cilêncio no quarto, dessamarrá Tuxo, pulá a jinéla di vórta i caí nu mundo.

- Inté aí tá cérto, maisi cumu Tuxo vai pulá o pórtão todo muído i arrebentado?

- Poisi é. É néssa segunda parte du plano qui ieu tô pensanu agóra,

- Incuanto ucê tava lá drentu ieu examinei a féchadura du pórtão, eila é das boa, difícir di estourá sem fazê muito baruio.

- Sim. I agóra?

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Jarirí pulô o muro cum facilididadi, éra alto, maisi tinha adondi colocá os pé. Viu qui tinha um corredô largo i comprido ao lado da casa, qui dava acésso às jinélas dos quarto. A premera jinéla tava iscura, a segunda i a tércera tumém, só a quarta tinha luz. Indaí, eile se aproximô cum tudo cuidado i viu qui, além di tê luz, a jinéla tava meia-abérta. Agachou-se i levantô a cabeça divagarim, só u bastanti pá oiá dentru. I foi cuandu ficô gelado, viu Tuxo amarradu numa cadera i cum o rosto insanguentadu i inchado. No canto óposto, viu qui tinha trêis homi sentadu jóganu baraio. Éra o bastanti pá eile saber naqueli mómento. Entoncis foi vortanu pá avisá Nicanor i pensá no qui fazê. Anssim qui pulô u muro di vólta, Nicanor já foi priguntanu:

-  Achô eile? Eile tá aí?

- Sim, Nicanor. Tá lá dentru, in péssimu estado. Todo machucadu. 

- I agóra? O qui nósis vamo fazê?

- Ieu ãinda num seio, nósis temos di pensá in cumu résgatá eile.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Adispois di ixaminá bem a casa, Jarirí viu que dava pra pulá o muro i chegá inté as jinélas. Pelas frésta das jinélas, siria pussível enxergá i iscuitá pra sabê se Tuxo tava lá drentu.

- Ieu vo pulá u muro, Nicanor. Ucê fica aqui cum Cascatim.

- Ieu quéro ir junto cum ucê.

- Não. É mélhór ucê ficá aqui. Se ucê inxergá arguém se aproximano, ucê pula o muro pra me avisá. 

- Ta bão, entoncis. Maisi ucê num pódi tumá nunhuma atitude sem me falá. Ieu preciso sabê pra módi te ajudá se arguma cousa saí érrado. Num entra drentu da casa sem eu sabê.

- Tá cérto. 

- E se ucê for discubérto i pêgo? O que que eu faço?

- Córri pra casa di Bódim pra eiles todos tumá a décisão du qui fazê.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Cascatim, entoncis, cuntinuô a andá i farejá por muitas rua. Jarirí i Nicanor foru ficano cada veiz mais cançados de o seguir pelas ruas iscura e desértas, maisi num tinha otro geito, só Cascatim pudiria incontrá Tuxo, eiles tinham di confiá nu faro deile. I foi indaí qui Cascatim parô in frente a uma casa grande e imponente, qui éra bem diférenti das otras casa da rua, todas pequenas i póbris. Cascatim foi inté o pórtão i cumessô a arrastá as pata i oiá pra eles, cumo qui dizenu qui éira ali o lugá in qui Tuxo istava. I foi entoncis qui Nicanor falô pá Jarirí:

- Ieu cunheço éissa casona, éila é uma das muitas casa qui u pai di Catarina tem na ciudadi. Ieu num tenho maisi ninhuma dúvida, Tuxo taí drento, i só deuso sabi o estado in qui eile está.

- Ieu concórdu cum ucê. Enfim, Cascatim cunsiguiu terminá o sélviçu.

- Sim. Maisi i agóra? 

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Indaí, Cascatim, todo faceiro, foi tangendo Jarirí i Nicanor pelas rua da ciudadi. Premero, entrô numa rua à direita, adispois à direita tumém, adispois à direita di novo, i adispois à direita i parô.

- U quiquiéuilsso, Cascatim? Ucê saiu nu mesmu lugá. Tá brincanu cum a jienti?

- Tarveiz não, Nicanor. Tuxo pódi tá nesse cuarterão.

- Maisi in qui casa? Nósis num vamo pudê saí batenu di casa in casa.

 - Ieu vo falá sério cum eile.

- Fala mesmu, purqui paréci qui eile tá gozanu cum a nuóssa cara.

- Cascatim, Tuxo tá in qui casa? Eile tá pur aqui? 

Cascatim ficô imóvel, adispois cumessô andá di novo, peganu otra diréssão.

- Ieu acho qui Cascatim farejô qui Tuxo isteve pur aqui, maisi num tá mais. Vamo cuntinuá siguino Cascatim, eile tá fazenu sélviçu cérto. Nósis temos di isperá eile refazê u trajéto di Tuxo.

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Cascatim, entoncis, cumeçô a latí, parecenu qui tinha cunsiguido lócalizádo u chero di Tuxo. Vinha i vortava córrenu, cumu qui pidino pá eiles o seguí. Indaí, Jarirí falô prele:

- Divagá, Cascatim. A gente num pódi chegá fazenu muito barulho nu lugá in qui Tuxo está, se eile tivé preso, os assassinu qui tão cum eile pódi decidí matá-lo.

- Ié vérdadi, Jarirí. Adispois di chegá adondi eile tá, nósis ainda vamu tê di incontrá um jeito di libertá eile. Se a jienti for discobérto, nósis vamu tá córrenu um grandi pirigo.

- Sim. E cumo Cascatim sintiu u chero deile, uilsso significa qui eile déve di tá vivo.

- Num seio não. Cascatim póde tá sintinu u ódor du córpo sem vida deile. Eu vo priguntá prele:

- Tuxo tá vivo, Cascatim?

Maisi Cascatim num dava ninhum sinár, ficô olhanu pá Nicanor sem si mexê, parecenu estar quérenu mostrá qui eile num sabia a réspósta.

-

-

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Arte - Ivonaldo Veloso de Melo

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana, por Cafezá

Adispois di se dispiderem di todos, Jarirí, Nicanor e Cascatim entraru na mata rumo à ciudadi. Chegaru lá pur vórta das onze hóras da noite, qui tava boa pra passa dispercebido purque num tinha lua clarianu. Lógo qui eiles chegaru, Cascatim já cumessô a farejá o ar i o chão, pondo o focinho pra baixo i pra cima, cafungando.

-  Nósis tamo parecenu murcego, qui avua di noite cumo si fossi didia.

- Ié vérdadi, Nicanor. A iscuridão da noite é a nóssa cumpanheira.

Leia mais »

Média: 5 (3 votos)

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

E a tarde si foi puxando divagar u manto da noite. I o Sol deixô um calorzim gotoso qui si misturava com u cheiro da mata, maisi eiles num istavam contentis, Tuxo num aparicia. Primero, eiles ficaru in silêncio, na expéquitativa di qui eile apariciria a quarqué mómento. Adispois, foram ficando impacientes, inté qui chegô u mómento em que Catarina résorveu falá:

- Ieu to achanu qui já passô da hóra deile chegá. Ié mélhór a jienti tomá arguma décisão.

- Ieu concórdo cum ucê, Catarina. A démora deile num é um bão sinal. 

- Sim, mestre. A salução é a jienti prócurá eile.

- Ieu concórdo, Catarina. Ieu vo lá prócurá eile.

- Ieu vo junto, Jarirí - disse Clódiu.

- Não, Clódiu. Ucê é muito cunhicido na ciudadi, todo mundo sabi qui ucê é filhu du coisa ruim.

- Entoncis vo ieu - disse Nicanor.

- Cérto. Cascatim vai junto, eile vai farejá u chero di Tuxo rapidinho.

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Incuanto Tuxo siguia em diréssão ao rio, Jarirí i Cascatim já tinham deixado sô Jair e Vardí na casa deiles. Quandu eiles chegaru na casa di mestre Bódim, a premera cousa qui acunteceu foi a prigunta inevitável qui Néja fez pá Jarirí:

- Cadê u Tuxo?

- Tuxo ficou na ciudadi, eile tinha di cunversá cos amigos deile. Lógo eile tá di vórta.

- Tuxo é teimoso, disse mestre Bódim. Eile tá córrenu risco grave.

- Ieu seio, mestre. Ieu insistí pá eile vir cum a jiente, mas eile bateu u pé.

- Eile dexô tudos nósis préucupados cum eile.

- Sim, só nos résta isperá a chégada deile.

Indaí, todos si reuniru in vórta di Jarirí pá iscuitá o relato sobri tudo u qui tinha acunticido na ciudadi. Jarirí contô in detalhis i arréspondeu tudas as prigunta qui apariciam. Lógo veio a hóra du armoço. Adispois veio chéganu a tarde cum seu manto suave... quase invisível. Tarde invinha, pá cumessá a féchá u dia.

-

 

 

Sem votos

Catarina e Jarirí - uma paixão sobre-humana

Entoncis, Tuxo partiu in diréssão à casa di Xico da Noite. Ao chegá lá, bateu palma, maisi Xico num aparicia. Gritô:

- Xico, so ieu, Tuxo. Acórda, vem abrí a pórta.

Maisi nada do Xico aparecê. Os otros amigo, qui diviriam tá lá, tumém num apareciam. I foi cuando surgiu o vizinho du lado, sô Joaquim, i falô pá Tuxo.

- Eiles tavam aí até há poco, ieu achu qui eiles foru pu trabaio nu rio, eiles qui são pescadores.

- Dévil di sê uilsso memo, eiles cansaru di mi isperá, ieu to muito atrasado. 

- Ucê sabi adondi eiles péscam? U lugá qui eiles ficam?

- Sim, ieu seio. Ieu tumém so pescadô.

- Entoncis, ié mélhór ucê vortá maisi tarde. Ucê tá parecenu muito cansado.

- Eu to cansado memo, num durmí i fiquei andanu a noite intera.

- Vai pá tua casa e vórta depois.

- Num pósso, mia casa fica muito lonji, tem muitas léguas daqui inté lá. Ieu priciso muito falá cum eisses meus amigo. Vo siguí pro rio inditráizi deiles. 

-

Sem votos