Revista GGN

Assine

Série "El Ministerio del Tiempo" vai na contramão do tempo-espaço da era global

Por Wilson Ferreira

Desde “O Exterminador do Futuro” (1984) e “De Volta ao Futuro” (1985), as representações do tempo mudaram no cinema e audiovisual: o Tempo tornou-se mutante e aleatório como um hipertexto. Mas curiosamente, a série da TVE (a tevê pública espanhola) “El Ministerio Del Tiempo” (2015) vai na contramão desse imaginário sobre o tempo-espaço que caracteriza a atual era das tecnologias digitais e Globalização: ao contrário, a série de ficção-científica mostra o Tempo como um fenômeno unidirecional e imutável onde um ministério secreto do governo protege misteriosas portas do tempo de possíveis oportunistas que tentem alterar o passado em seu próprio benefício. Se o cinema é um documento do imaginário de cada época, a série espanhola parece apontar para uma reação contra o paradigma tempo-espaço que sustenta a financeirização e a Globalização. Mergulhada em uma crise econômica desde o fim da estabilidade da Zona do Euro, a Espanha nos oferece uma série que quer se apegar ao nacionalismo e à sua História como resposta à crise global.

O leitor deve conhecer o mais famoso quadro do pintor espanhol Valazquez, Las Meninas de 1656 – composição enigmática que sugere um quadro dentro de um quadro, criando uma relação incerta entre observador e a obra. Quem é a figura no fundo atravessando um corredor que observamos através de uma porta aberta? O neto do pintor, Dom José Nieto Velazquez? Não, provavelmente algum viajante do Tempo de passagem que parou para observar a cena.

É o que sugere a série produzida pela tevê pública espanhola (TVE) Lo Ministerio Del Tiempo em uma rápida sequência onde é apresentado ao protagonista o maior segredo guardado pelo governo espanhol: portas e corredores do tempo existentes em um subterrâneo na cidade de Madrid – segredo de um rabino na Idade Média que, em troca de não ser expulso revelou o segredo para reis católicos. Uma rede de portas de origem misteriosa que se conecta com o passado dos reinos espanhóis.

A rede de portas é administrada e guardada por entediados funcionários públicos do Governo, principalmente porque existe a ameaça da existência de portas clandestinas: existem pessoas que querem mudar o passado em seu benefício – líderes de legiões romanas que querem ter acesso a metralhadoras atuais ou militares franceses do século XVIII que querem ter acesso a revólveres da polícia de Madrid para derrotar a Espanha – tema do episódio piloto da série. E se a Al Qaeda de 2001 tivesse acesso aos modelos atuais de celulares?

Quadro "Las Meninas" de Velazquez: há um viajante do Tempo?

El Ministério Del Tiempo foi ao ar em 24 de fevereiro desse ano e conta com 8 episódios na primeira temporada. A TVE já confirmou a segunda temporada para o ano que vem. Atualmente é um fenômeno de Internet e discutida por roteiristas, produtores e executivos de redes de TV, seja para colocar a série nas nuvens ou para menosprezá-la - veja abaixo o primeiro capítulo e a série completa clique aqui.

Três Personagens Distintos

A série acompanha o recrutamento pelo ministério de três personagens em três épocas diferentes: Alonso de Entreríos (soldado condenado a morte no século XVI), Amélia Folch (feminista e primeira mulher a frequentar uma universidade da Espanha no século XIX - inteligente e com uma memória fotográfica é o cérebro do grupo) e Julian Martinez, paramédico do Samu na Madrid atual.

Cada um deles vive em sua respectiva época, mas ocasionalmente são convocados para missões secretas para localizar e combater oportunistas que descobrem as portas do tempo clandestinas, e tentam mudar o passado a seu favor. Três personagens bem distintos, que criam em muitos momentos situações engraçadas e irônicas – como um soldado do século XVI poderá aceitar ordens de uma feminista do final do século XIX?

Duas coisas chamam a atenção nas linhas de diálogo do El Ministério Del Tiempo: constantes referencias irônicas que o paramédico Julian faz ao filme O Exterminador do Futuro (The Terminator, 1984) e ironias em relação a atual situação econômica da Espanha – venceu a guerra contra a França no passado, mas hoje “presta homenagens ao Banco Central Europeu”. Ou quando os três atônitos protagonistas perguntam o que fazer em sua primeira missão para deter os militares franceses do século XVIII: “improvisem, como faz todo espanhol”, numa alusão ao atual cenário de crise econômica.

O Tempo Pós-Moderno

Exterminador do Futuro e De Volta para o Futuro dos anos 1980 foram filmes que alteraram a concepção clássica sobre o tempo no cinema. Ao contrário de séries cultuadas como O Túnel do Tempo (Time Tunnel, 1966-67) onde Philip e Doug tentam evitar sem sucesso as tragédias da História, a partir dos anos 1980 podemos voltar ao passado para alterá-lo e, simultaneamente, melhorar o presente. Mais do que isso, em filmes recentes como O Efeito Borboleta (2004) e Sr. Ninguém (Mr. Nobody, 2009) transforma-se em um hipertexto onde cada opção cria um futuro ou um passado alternativos, configurando um contínuo espaço-tempo cada vez mais complexo como uma série de universos paralelos que, potencialmente, poderiam se tangenciar ou influenciarem-se mutuamente.

O que chama a atenção de El Ministerio Del Tiempo é a sua concepção do contínuo tempo-espaço que transforma a série num documento de época, um produto cultural cujo imaginário reflete a atual situação econômica espanhola e europeia. 

Em primeiro lugar a série parece romper com a concepção de tempo, por assim dizer, pós-moderna iniciada nos anos 1980 – um contínuo maleável, moldável e que pode se bifurcar. Ao contrário, na série espanhola o passado deve ser guardado e mantido intacto a todo custo. O Governo é o guardião da História cuja missão é caçar todos os oportunistas que tentam mudá-la.

Parece que todos os passados de todas as épocas estão ainda sendo vivenciados repetidamente, ad eternum – por exemplo, um dos funcionários públicos que administram as portas do tempo sempre visita a de número 58 para reviver uma histórica vitória em uma partida do time do Real Madrid.

Tempo Real e a Globalização

 O tempo-espaço complexo e mutável retratado pelo cinema segue paralelo ao desenvolvimento das mídias digitais, a linguagem hipertexto e a Internet – tecnologias que foram as ferramentas fundamentais para a Globalização e a integração do sistema financeiro mundial.

Se o historiador francês Marc Ferro estiver correto de que toda produção cinematográfica é um documento histórico por carregar consigo mentalidades, costumes e o universo simbólico do período em que foi produzido, podemos considerar que isso é mais do que um paralelismo – sobre isso leia FERRO, Marc. Cinema e História, São Paulo: Paz e Terra, 1992. 

Os seminais Exterminador do Futuro e De Volta Para o Futuro refletiram a concepção tempo-espaço da financeirização da sociedade – a hegemonia dos mercados financeiros (o chamado “turbo-capitalismo”) produziu a virtualização monetária, a integração em tempo-real das praças financeiras que produziu fluxos voláteis e cenários de engenharia financeira cada vez mais complexo.

Para o capital financeiro virtual e sem o antigo lastro-ouro que ancorava o papel-moeda, a realidade torna-se plástica, rapidamente modelável em um eterno presente (o “tempo-real”). Passado e futuro desaparecem nesse contínuo presente e o tempo deixa de ser rígido numa sucessão de causa e efeito – agora o Tempo é aleatório, caótico. 

Não mais lemos a História como um texto, mas navegamos como em um hipertexto onde saltamos de um lado para outro por meio de hiperlinks.

 

Vídeos

Veja o vídeo
"El Ministerio del Tiempo" (TVE, 2015) - capítulo 1- "El Tiempo es el que es
Média: 3.1 (9 votos)
1 comentário

Comentários

Espaço Colaborativo de Comentários

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Felipe Cunha
Felipe Cunha

El Ministerio del Tiempo

Interessante a ideia. Acredito que, pelo fato de se tratar de história, seria bom as TV's pelo mundo, públicas ou não, licenciarem e criarem suas próprias versões nacionais.  Seria um produto ideal à Tv Cultura, se bem que necessitaria de um Projac/Recnov pra produzir. Ensinaria às crianças, de uma forma lúdica, a história brasileira.

Seu voto: Nenhum
imagem de Geraldo Luís Lino
Geraldo Luís Lino

Brilhante

Obrigado pela dica, já assisti aos primeiros capítulos, é brilhante. Mesmo que, em geral, não seja fã de séries, esta é verdadeiramente viciante.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.