Revista GGN

Assine

Por todas as poesias ainda não escritas, por Régis Mubarak

Por todas as poesias ainda não escritas

por Régis Mubarak 

Falar sobre Paulo Leminski é recordar com doses homeopáticas de angústia existencial, que temos escondidos na memória amores mal resolvidos, sentimentos contidos, palavras não ditas, poesias perdidas e muitas, muitas poesias que ainda não foram escritas e mentimos para nós mesmos os reais motivos de não sabermos por que.

Professor e tradutor, Paulo Leminski (1944-1989), descendente de poloneses e africanos, por si só mistura étnica explosivamente encantadora, viveu tão intensamente quanto escreveu em suas metáforas os desejos dos corações partidos. E em suas obras, as dores, as expiações e os infinitos desconcertos da existência humana. Pintando tais sentimentos com pincéis mui dançantes por entre delicados objetos de cristais.

Paulo Leminski escrevia com a própria alma. E a alma não nos deixa mentir.

Também músico e letrista, pesquisador da cultura e língua japonesa, o poeta paranaense dominava idiomas que iam do francês, inglês, espanhol, grego e latim e não recebeu acolhida e tratamento dignos. Aos poucos eis que a história tendo por obrigação reescrever-se reconhece envergonhada que grandes gênios inexplicavelmente em sua passagem pela terra são maltratados ou ignorados. Recebendo mínimas doses de afeto, como se invisíveis fossem mesmo ao cruzar esquinas abertas em dias de céu azul.

Leminski não se trata de exceção a essa regra então. Justamente por isso não listarei interminável ordem alfabética outros autores, poetas, escritores, pintores, artistas nacionais ou estrangeiros, etc, etc, etc, que em vida útil, mal tiveram o insuficiente para sua própria sobrevivência e hoje, passado muitos e muitos anos, assistimos suas obras de arte, seus livros, seus magníficos trabalhos artísticos serem valorizados no mercado inacreditavelmente a preços exorbitantes, de dezenas de sacas de ouro! (Não entrarei no mérito de quaisquer questões.) É sobre Paulo Leminski e a falta que nos faz que escrevo esse texto, tentando repassar a emoção que toma conta de mim, a cada linha rabiscada por ele há tempos, que leio, releio e recomendo de olhos fechados. Simples assim...

Poesia é para mim tão necessária e essencial como aquela frase do clássico de Antoine de Saint Exupery (1900-1944), ilustrador (e também aviador francês), autor de vários livros bem bacanas, mas que todo mundo conhece apenas como o escritor de “O Pequeno Príncipe,” quando a raposa fala ao jovem protagonista principal (...) “...mas se tu me cativas, nós teremos necessidade um do outro. Serás para mim único no mundo. E eu serei para ti única no mundo...” O grande público até hoje reconhece esse livro como um dos maiores clássicos da literatura infantil, ledo engano, trata-se de uma das maiores histórias sobre amizade, amor e separações já criada em todos os tempos.

Poesia é tão essencial quanto o ar que respiramos, porque cativa, porque ao ser escrita nos toca de uma maneira tão especial, única e profunda, que para cada um terá a significação do momento em que se encontra. Se extremamente feliz. Se extremamente triste. Oscilante entre caminhos da dúvida, escolha ou decisões difíceis. É feita só pra ti!

Paulo Leminski dominou como poucos essa arte de nos fazer respirar a poesia como se respira o ar vital de cada amanhecer. E ainda que não esteja mais caminhando fisicamente por entre as outras almas humanas aqui na terra, permanece através de cada uma de suas excepcionais criações literárias. Um pedacinho de sua essência, de sua carência, de sua exuberância, do seu sentimentalismo, do seu: “Escrevo. E pronto. Escrevo porque preciso. Preciso porque estou tonto. Ninguém tem nada com isso. (...) Eu escrevo apenas. Tem que ter por quê?” troca e toca nossas células sanguíneas!

Por que seria então? Porque não importa o que façamos ou para onde vamos, dentro de cada um de nós bate um coração cheio de poesia, encharcado de amor para dar, espaçoso de amor para receber e carregado de sentimentos preciosos para compartilhar, que nunca se esgota, nunca cessa de existir. Necessita-se intercambiar!

E todas as poesias perdidas. E as que ainda não foram escritas e provavelmente serão, basta que para tanto tenhamos coragem de externar sem mágoa, rancor ou vergonha de quem, o que quer seja, todas as sensações únicas que cada um carrega dentro do seu íntimo, do seu ser, de sua alma. A nossa história e a nossa memória do que um dia, rabiscamos nos desejos infantis do que gostaríamos de nos tornar quando virássemos gente grande. Mas crescemos e nos perdemos solitários de nós mesmos!

Basta o querer. E para o querer, basta vontade. E a vontade é feita de desejos. E os desejos são feitos de sonhos. E os sonhos são sonhados, rascunhados metade no cérebro, que traça os planos e de como poderão ser conquistados e metade no coração, que aceita todos os desenganos e as malsucedidas tentativas! E mesmo assim não para de bater para que a Dona Esperança se recomponha, às vezes mui golpeada e se coloque em pé novamente, voltando a caminhar, nessa longa e infinita estrada chamada vida. Tentando de novo. E de novo. E de novo. Até que enfim um dia ou perto do nosso fim, nesse único dia, possamos encontrar o lugar mágico onde se esconde a Dona Felicidade!

 

Régis Mubarak

Graduanda em Gestão Ambiental – UNOPAR. Especialista Técnica em Gestão Contábil – CNEC, Marketing – SENAC e Saúde Pública PMI/UNASUS 

Pesquisadora AVA SARU em Exobiologia e Tecnologia da Informação 

Escreve para Jornais Impressos na Região Sul e Portais de Notícias da Internet

Média: 5 (3 votos)

Opções de exibição de comentários

Escolha o modo de exibição que você preferir e clique em "Salvar configurações".
imagem de Rui Ribeiro
Rui Ribeiro

E por todas as poesias que, em vez de aportar, passaram batidas

Poesia

(Carlos Drummond)

 

Gastei uma hora pensando em um verso
que a pena não quer escrever.
No entanto ele está cá dentro
inquieto, vivo.
Ele está cá dentro
e não quer sair.
Mas a poesia deste momento
inunda minha vida inteira.

Seu voto: Nenhum

Comentar

O conteúdo deste campo é privado e não será exibido ao público.
CAPTCHA
Esta questão é para testar se você é um visitante humano e impedir submissões automatizadas por spam.